18 de maio de 2021

Enquanto mais ricos já se recuperam da crise, mais pobres podem levar uma década

Nove meses. Esse foi o tempo que as mil pessoas mais ricas do mundo levaram para recuperar suas fortunas depois que a pandemia do coronavírus começou. Mais de uma década é quanto tempo pode levar para os mais pobres do mundo se recuperarem, de acordo com o relatório anual de desigualdade da Oxfam International.

O relatório, divulgado no domingo antes da reunião virtual de líderes políticos e financeiros do Fórum Econômico Mundial, normalmente realizada em Davos, Suíça, descreve o impacto disparatado do vírus ao redor do globo. A pandemia pode aumentar a desigualdade econômica em quase todos os países ao mesmo tempo, a primeira vez que isso aconteceu, descobriu a Oxfam.

“Assistimos ao maior aumento da desigualdade desde o início dos registros. A profunda divisão entre ricos e pobres está se mostrando tão mortal quanto o vírus”, disse Gabriela Bucher, diretora-executiva da Oxfam. 

“Economias complicadas estão canalizando riqueza para uma elite rica que está enfrentando a pandemia com luxo, enquanto aqueles na linha de frente da pandemia -assistentes de loja, trabalhadores da saúde e vendedores de mercado -estão lutando para pagar as contas e ter comida na mesa”.

O coronavírus, que já infectou quase 100 milhões de pessoas e matou mais de 2,1 milhões em todo o mundo, colocou a desigualdade no centro das atenções. A maneira como as pessoas lidam com a situação difere por raça, gênero e renda.

Por exemplo, cerca de 22 mil negros e hispano-americanos ainda estariam vivos, em dezembro, se esses grupos morressem do vírus na mesma proporção que os americanos brancos, de acordo com a Oxfam.

E menos 112 milhões de mulheres correriam o risco de perder renda ou seus empregos se homens e mulheres estivessem igualmente representados nos setores afetados pela pandemia.

Enquanto isso, os ricos geralmente estão resistindo muito bem à tempestade de Covid. Embora os mercados de ações tenham entrado em colapso nos primeiros meses da pandemia, eles reagiram -graças em parte à assistência econômica sem precedentes fornecida pelos governos.

Em todo o mundo, a riqueza dos bilionários cresceu US$ 3,9 trilhões entre meados de março e o final de dezembro, calculou a Oxfam.

Mas o número de pessoas que vivem na pobreza globalmente pode ter aumentado em até 500 milhões no ano passado, de acordo com um artigo do Instituto Mundial de Pesquisa Econômica do Desenvolvimento da Universidade das Nações Unidas citado pela Oxfam.

Outros relatórios também descobriram que a pandemia afetou muito os pobres. Um estudo separado do Banco Mundial, em outubro, descobriu que a pandemia pode levar até 60 milhões de pessoas à pobreza extrema.

Para combater essa crescente desigualdade, os governos devem garantir que todos tenham acesso à vacina Covid-19 e apoio financeiro caso percam seus empregos, disse Bucher. Além disso, este é o momento para investimentos de longo prazo em serviços públicos e setores de baixo carbono para criar milhões de empregos e garantir que todos tenham acesso à educação, saúde e assistência social, disse ela.

Nos EUA, a Oxfam instou o Congresso a aprovar um plano de recuperação econômica que invista em empregos verdes e apoie a indústria de creches, o que ajudará as mulheres a voltar ao trabalho e fornecerá mais ajuda na luta global contra a pandemia.

“Essas medidas não devem ser soluções curativas para tempos de desespero, mas um ‘novo normal’ em economias que trabalham para o benefício de todas as pessoas, não apenas de alguns poucos privilegiados”, disse Bucher.

O presidente Joe Biden propôs um pacote de ajuda econômica de US$ 1,9 trilhão, que contém pagamentos adicionais de estímulo, benefícios para desemprego e assistência nutricional e habitacional. Ele disse que vai revelar um plano de recuperação econômica no próximo mês.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email