Físicos calculam que o Sol tenha cerca de 4,5 bilhões de anos, mas só recentemente, há uns 30 anos, sua energia começou a ser explorada aqui na Terra. A IEA (International Energy Agency) calcula que daqui a dois anos, os países que estão na dianteira do uso da energia solar (China, Estados Unidos, Alemanha e Japão) chegarão a 30% de seu potencial, em seus solos.

O Brasil, cuja quase totalidade do território é iluminado pelo Astro Rei durante os 365 dias do ano, ocupa apenas a 16ª posição no ranking dos 20 primeiros países que estão na corrida pela utilização cada vez mais efetiva da energia solar.

“Trata-se de uma energia barata e infinita, pois o principal combustível é a luz do Sol, e tem se popularizado no mundo pelo fato de não ser poluente”, explicou Jurandir da Silva Arruda, empresário, mestre em Engenharia de Transporte e pesquisador de energias renováveis.

A Alemanha, país de clima predominantemente frio e com pouco Sol, está entre os primeiros na corrida das pesquisas tecnológicas. Correspondendo a 25,8% da produção global, a China é o país mais capacitado para a geração de energia solar instalada. Junto com os Estados Unidos, são os líderes mundiais em capacidade instalada.

“Felizmente, nos últimos cinco anos, a utilização dessa energia tem se popularizado no Brasil principalmente porque o preço do sistema caiu bastante e há diversas formas de financiamento, inclusive os financiamentos coletivos com grupos de investimento que auxiliam o futuro usuário desde a criação do projeto até a ligação do sistema junto à concessionária. A perspectiva é que haja uma disseminação maior dessa utilização nas residências”, completou.

Ainda a favor do Brasil, uma matriz energética predominantemente renovável que se sobressai entre tantos países líderes em produção mundial. O país conta com níveis de irradiação solar superiores aos de países onde projetos de aproveitamento de energia solar são explorados em larga escala, como Alemanha, França, Espanha, Itália e Grécia.

Estado privilegiado

Amazonas é um Estado privilegiado por receber luz solar o ano inteiro

Realmente, há alguns poucos anos, era inviável mudar do atual sistema de energia elétrica para a energia solar. As placas que convertem esse tipo de energia eram gigantescas e caras. Mas rapidamente tudo mudou, e continua mudando para melhor.

“Não se trata de um sistema caro quando você imagina que vai funcionar por 25 anos gerando energia elétrica de custo zero, então, é um investimento, assim como construir a sua casa é um investimento. A grande barreira hoje, mas que está sendo ultrapassada, é o acesso ao financiamento barato para que mais pessoas tenham acesso ao sistema”, esclareceu.

Jurandir acrescentou que o Amazonas é um Estado privilegiado pelo fato de receber a luz solar durante o ano inteiro.

“Mas é preciso esclarecer que o sistema ainda precisará da distribuidora, porque necessita estar conectado aos fios desta para que não seja necessário utilizar bateria. Instalado o equipamento, ele vai gerar energia para o meu consumo e, caso haja excedente, este vai ser ‘jogado’ na rede, o que vai me gerar créditos de energia elétrica os quais poderei usar por até cinco anos, conforme a legislação vigente no Brasil”, esclareceu.

“Essa parceria com a distribuidora é muito importante para que tenhamos condições de utilizar os créditos no futuro”, completou.

Preços em queda

A evolução da tecnologia das placas solares tem sido tão grande nos últimos anos, que elas reduziram de tamanho e triplicaram sua potência de geração de energia. Hoje o padrão de mercado são placas de dois metros quadrados. Com dez a quinze delas se é possível ter um bom sistema de geração de energia numa residência, ocupando pouco espaço no telhado. São capazes de abastecer 100% do consumo de uma residência. Quanto às normas de segurança, não há riscos de choque elétrico. O sistema funciona como o atual.

“E essa evolução não para. Os preços também têm caído, chegando a menos da metade do custo que tinham há cinco anos”, revelou.

“Nossa orientação é que as pessoas procurem empresas conceituadas para que façam seus projetos e consigam uma melhor relação custo/benefício. Converse com o projetista para que ele entenda suas reais necessidades. Os equipamentos atuais têm durabilidade de até 25 anos, com total garantia e vistoria da concessionária de energia. Com certeza a pessoa vai investir e ter o retorno que espera”, afirmou.

Atualmente a ‘Eccomotor – Energia Limpa’, empresa de Jurandir, trabalha no projeto de uma fazenda solar compartilhada cujo objetivo é gerar energia em uma área rural de Manaus e distribuí-la para consumidores da capital.

“Com zero de investimento, o usuário vai usufruir dessa energia renovável barateando sua conta mensal”, garantiu. Outras informações sobre energia solar podem ser obtidas através do 9 9469-6024.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email