1 de julho de 2022
Prancheta 2@3x (1)

Empréstimos visam a casa própria

O Conselho Curador do FGTS também aprovou o regulamento para a criação do Fundo de Investimento do FGTS, que aplicará R$ 5 bilhões em projetos de infra-estrutura, a partir de janeiro

O ano de 2007 terminou com excelentes notícias para as pessoas que lutam pela realização do sonho da casa própria. A verba para empréstimos habitacionais do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) foi ampliada de R$ 5,4 bilhões para R$ 8,4 bilhões. O Conselho Curador do FGTS também aprovou o regulamento para a criação do Fundo de Investimento do FGTS, que aplicará R$ 5 bilhões em projetos de infra-estrutura, a partir de janeiro. O FGTS terá R$ 17 bilhões para investimentos em 2008, o maior orçamento de sua história.

Mas, essas não são as únicas boas notícias para o setor da construção civil, que cresceu em ritmo acele­rado em 2007. Pesquisa do Secovi de São Paulo registra a comercialização de 28.103 unidades no período de janeiro a outubro de 2007, um crescimento de 26,23% em relação ao mesmo período do ano anterior. O presidente do Secovi diz que desde 1980 a indústria da construção não apresentava resultados tão bons. E, para 2008, a expectativa de crescimento, tanto de vendas quanto de lançamentos, continua –de 15% a 20% em relação a 2007.

Se considerarmos que o déficit ha­bitacional no país beira oito ­mi­lhões de moradias, todos esses fatos deveriam ser comemorados efusivamente. Mas, se analisados com mais cuidado, revelam que os rumos da política habitacional implantada no país precisam ser alterados.

De acordo com o Secovi-SP, a ci­dade de São Paulo reflete o que ocorre no restante do país. E, na capital paulista, os lançamentos de imóveis se concentram em unidades de três e quatro dormitórios, voltados para a classe média e média alta. Mas, a grande massa que realmente necessita de moradia e vive em condições precárias e até sub-humanas não tem acesso aos imóveis lançados. Mais do que isso, dadas as condições de pagamento e as formas de financiamento, com altas parcelas intermediárias, eles sequer são acessíveis à classe média. Essa, se que quiser se arriscar na aquisição dessas unidades habitacionais, terá que exaurir todas suas economias e direcionar seus esforços para pagar a dívida. E, caso o adquirente deixe de quitar algumas das parcelas, corre o risco de perder o direito ao imóvel.

O que vemos é que a principal preocupação da política habitacional não é social. E, mais do que isso, que os investimentos e benefícios concedidos pelo governo federal para o setor de construção civil não estão sendo utilizados para reduzir o déficit habitacional. Apenas garantem o lucro das incorporadoras e a especulação imobiliária.

Segundo analis­tas, o mercado de locação está aquecido e o investimento em imóveis para esse fim voltou a ser um bom negócio.

Enquanto investidores fazem “bons negócios”, a popula­ção se martiriza. Tan­to o governo quan­to a população de­veriam dar mais atenção às cooperati­vas habitacionais. É uma das melhores soluções para as pessoas que mais precisam ter acesso à moradia, já que os imó­veis são construídos de acordo com o perfil dos coo­perados e a preço de custo. Se as autoridades analisarem com cuidado, verão que existem bons exemplos no segmento, apesar de não haver nenhuma forma de financiamento estatal. Havendo vontade política, é possível incentivar esse tipo de construção de uma forma regulamentada e com fiscalização.

As pessoas interessadas em adquirir um imóvel também devem estudar a possibilidade de alcançar o sonho da casa própria por meio de cooperativas habitacionais. A dica é não aderir à primeira coo­perativa que oferecer o imóvel sem antes analisar, com cuidado, outras que atuam no mercado. Também é preciso se informar sobre o funcionamento do cooperativismo e das implicações da construção pelo sistema. Pode até dar mais trabalho, já que o ideal é, mesmo depois da ­escolha cuidadosa, acompanhar o cotidiano da cooperativa e fiscalizar as contas e ações. Mas, geralmente, é compensador devido ao preço mais em conta do imóvel (com a mesma qualidade que se encontra à venda pelas incorporadoras) e às formas de pagamento mais acessíveis e possíveis de serem qu

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email