Empresas vão obter crédito

Conforme Deborah Araújo, as participantes têm no projeto a oportunidade de crescer, por meio da troca de informações com as demais empresas da categoria, da qualificação oferecida pelo Senai e das linhas de crédito disponibilizadas pelo Banco do Brasil.
A gestora informou ainda que só neste ano o Senai já treinou seis turmas na área de costura, em cursos profissionalizantes que tiveram duração de 120 a 130 horas. “Já o Banco do Brasil disponibiliza os serviços financeiros, como o financiamento para a compra de máquinas. Essa aproximação permitiu que algumas empresas conseguissem crédito”, ressaltou Deborah.
Outro benefício que as participantes do projeto possuem é a consultoria especializada de seis profissionais contratados pelo Sebrae-AM, responsáveis pelo acompanhamento e orientação das empresas.

Individualismo atrapalha

Distante dos principais centros consumidores e dos fornecedores de tecidos, localizados nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste, o segmento de vestuário local também perde em competitividade pela distância que existe entre os que atuam nele. “Queremos ver um setor mais unido ao final do projeto. Existe um individualismo enorme entre os empresários que prejudica o crescimento do setor no Estado”, observou a gestora.
Para o presidente do Sindiconf-AM, Engles Medeiros, o projeto já está possibilitando uma sinergia maior entre as empresas. “Hoje a troca de conhecimentos é muito importante. Infelizmente não há uma presença maciça dos empresários nessa iniciativa. Deveríamos ter a participação de no mínimo 35 fabricantes”, comentou.
De acordo com o dirigente, as empresas que se engajam em atividades como essa ampliam seus horizontes comerciais e conseguem penetrar em novos mercados.
Engles Medeiros explicou que um dos entraves ao crescimento das micro e pequenas empresas do ramo da confecção é a dificuldade para obter crédito junto às instituições financeiras. Segundo o empresário, geralmente as organizações de pequeno porte não conseguem apresentar garantias às agências de fomento e aos bancos.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email