13 de abril de 2021

Empresas criam redes internas de ­relacionamento pessoal

Marcelo Coutinho, diretor de análise do Ibope Inteligência, disse que a utilização das “comunidades” da internet pelas empresas ainda é incipiente, mas vai crescer.

O sucesso de redes de rela­cio­namento como o Or­kut e o MySpace em terras brasileiras fez com que algumas empresas oferecessem um novo ti­po de serviço a seus clientes: redes de relacionamento exclusivas.

A academia Cia.Athletica criou para seus alunos o GenteCia, uma rede onde os alunos podem criar seu perfil, postar fotos, criar comu­nidades e até postar anúncios. “Dos­ 30 mil alunos da rede, 6.000 já estão participando do GenteCia”,­ contou o diretor de marketing da Cia.Athletica, Marcos Nisti. O número pode estar longe dos 30 milhões de brasileiros presentes no Orkut, ou dos 620 mil no MySpace, mas, para Nisti, é um ótimo resultado. “São 20% de alunos co­nectados. Para uma empresa que­ tem como missão promover ­o bem-estar físico e fazer amigos,­ estamos no caminho certo.”

Um recurso muito utilizado no GenteCia, segundo o diretor, é a ferramenta de busca de profissionais. “Um aluno que é pediatra ou personal trainer, por exemplo, pode colocar informações profissionais no site. Outros, se derem busca por esse tipo de profissional, o en­con­trarão facilmente”, explicou.

O projeto da Cia.Athletica exigiu um investimento de R$ 80 mil e foi realizado pela Focusnetwork. “No caso da Cia.Athletica, criar uma rede de relacionamentos foi uma ótima estratégia, porque os alunos têm gostos parecidos, são em geral jovens de classe A que gos­tam de exclusividade”, disse Ra­fael Kiso, diretor de tecnologia­ da Focusnetwork. “Então, na re­de interna da academia, não es­tão no ‘ambiente comum’ do Or­kut, mas podem se relacionar com pessoas semelhantes.”

Experiência importante

Segundo ele, nem toda empresa precisa ter uma rede de relacionamentos própria. “Não vou dizer que dá certo para todas. Mas há mais empresas buscando esses recursos, e eu acho que todas têm de, no mínimo, conhecer essas ferramentas e saber o que é dito sobre elas nesses ambientes.” Ele dá como exemplo as comunidades do tipo “eu adoro” e “eu odeio”, tão comuns no Orkut “É importante saber se há mais pessoas adorando ou odiando a sua empresa, e por quê.” Kiso disse também que essas redes são fontes de informação riquíssimas. “Você descobre, por meio delas, o que seus clientes gostam. Fica mais fácil atendê-los.”

No caso da Cia.Athletica, a em­presa começou a oferecer mais si­mulações de esqui após detectar que muitos alunos pensavam em viajar para praticar o esporte.

A rede de escolas de idiomas Yázigi também criou uma rede de relacionamento chamada Meet Mates para seus alunos de 11 a 14 anos. Há espaço para criar perfil, postar fotos e vídeos e fazer diários. “A idéia inicial era criar um site para a realização de cursos à distância”, explicou a diretora de tecnologia do Yázigi, Gina Bononi. “Mas vimos o quanto os jovens gostavam de participar desse tipo de comunidade e resolvemos criar o Meet Mates. Os moderadores são os professores da escola, e os alunos escrevem em inglês.”

Todo o site é em inglês e esse é o idioma oficial dos fóruns do Meet Mates. “Os alunos exerci­tam aquilo que aprenderam em aula, pois querem postar nas comunidades e se desenvolvem sem mesmo perceber que estão aprendendo.” O Yázigi investe, anualmente, de R$ 800 mil a R$ 1 milhão em desenvolvimento e manutenção de recursos de internet.

Marcelo Coutinho, diretor de análise do Ibope Inteligência, disse que a utilização das “comu­nidades” da internet pelas empre­sas ainda é incipiente, mas vai cres­cer. “Elas estão percebendo que­ a publicidade mudou e a me­lhor maneira de chegar a um con­sumidor é pela indicação de um amigo. Afinal, você confia mais em um anúncio ou em um amigo?”, explicou. “O comando agora está na mão do consumidor, e quem não acompanhar es­sa mudança, vai ficar para trás.”

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email