Empresa reaproveita resíduos de açaí

A rede de franquias Açaí no Ponto além de fomentar emprego e renda no Estado, também se preocupa com a segurança alimentar e com o meio ambiente. A marca, genuinamente amazonense, foi criada em 2011. Hoje possui mais de 52 operações em todo país. Em 2014, a empresa abriu sua própria fábrica de gelado comestível de açaí que abastece os franqueados.
Na produção trabalham sete funcionários diretos que são responsáveis pelo despolpamento do fruto. Utilizando a prática da Logística Reversa, firmou parceria com a Cerama Mineração Indústria e Comércio Ltda., para o reaproveitamento do resíduo do açaí, que serve de combustível no processo produtivo de cerâmicas em geral.
De acordo com um dos sócios e diretor da Açaí no Ponto, Caio Costa, todo o processo fabril é realizado com base em procedimentos da segurança alimentar, ideal para manter um bom negócio, no mercado competitivo. “Uma das maiores preocupações do Açaí no Ponto é com o descarte correto dos resíduos na fabricação do produto utilizado pela empresa”, salienta.
Por mês, a fábrica chega a produzir 20 toneladas de resíduo que é separado diretamente por meio de uma rosca infinita, levando o que seria jogado fora para um silo. A partir daí esse material é coletado por caminhões que levam até à fábrica de cerâmica, Cerama, no município de Iranduba, localizado a 27 quilômetros de Manaus. “A parceria para a coleta do resíduo existe desde o início da fábrica. E o melhor disso tudo é saber que estamos contribuindo com o meio ambiente. Ao invés de simplesmente descartar, geramos preservação ambiental”, comentou Costa.
Já na fábrica, os resíduos se transformam em material de combustão para queima de tijolos e cerâmicas. Segundo o consultor da Cerama, José Alexandre Loureiro, a parceria com o Açaí no Ponto colaborou para reduzir em 50% o consumo de lenha. “Hoje utilizamos 40% de açaí, 40% de sarrafo que são restos de madeira e 20% de lenha legalizada. Fazemos a coleta do material em Manaus, sem gerar custo ao doador do material e ainda doamos boa parte desses caroços para as comunidades replantarem”, disse Loureiro.

Propriedades do açaí

Especialistas garantem que o açaí possui mais propriedades antioxidantes do que a uva e, portanto, com o auxílio da vitamina E, consequentemente distribui Ômega-6 e Ômega-9, combate o colesterol ruim do corpo e melhora a circulação sanguínea. Por isso atua contra a velhice precoce e vários problemas cardíacos. Essa fruta também ajuda no combate ao câncer por possuir ácido oleico, retardando assim o desenvolvimento de tumores e contribuindo na destruição das células cancerígenas.
Outra doença que o açaí ajuda a prevenir é a osteoporose. Afinal de contas, é um alimento rico em cálcio e potássio. Ainda tem o ferro, que previne e combate a anemia, mais o fósforo, além de outros minerais.
Como toda fruta, o açaí também é uma excelente fonte de fibras. Essa quantidade presente é suficiente para que haja ótima saciedade de quem o consome. Portanto, a frutinha ajuda nas dietas. O lado que pode acarretar em algum problema a quem deseja emagrecer é o do açaí ser rico em carboidratos.
Entretanto, se a pessoa pratica atividades físicas regularmente, esses carboidratos caso consumidos de maneira correta, ou seja, sem exageros, não tendem a preocupar. A não ser que a pessoa sofra de diabetes, pois aí deverá se manter afastada mesmo. Por isso, segundo especialistas no assunto, o interessante do açaí não é apenas comê-lo por comer e sim incorporá-lo numa dieta saudável, equilibrada e acompanhada de exercícios físicos regulares. Fica aí a dica.

Para complementar as informações sobre o reaproveitamento dos resíduos da empresa Açaí no Ponto, que também é uma forma de aplicar a Logística Reversa, o sócio-diretor Vander Areosa falou com o JC em breve entrevista. Confira:

Jornal do Commercio: Hoje, a empresa trabalha com quantos funcionários?
Vander Areosa: Sete funcionários trabalham na produção da fábrica do gelado comestível.

JC: Como é feita a separação do fruto?
Areosa: A separação da matéria-prima e do que é resíduo é automático por meio do silo. Não há contato direto, a máquina já faz isso.

JC: Podemos dizer que este processo é uma forma de aplicação da Logística Reversa ou seria outro modelo sustentável?
Areosa: Sim, pois os resíduos são utilizados como parte do ciclo produtivo da fábrica de tijolos em Iranduba. E também como parte dos caroços é doada para o replantio, acaba ocorrendo a Logística Reversa.

JC: Quais são as expectativas com relação à crise que vem assolando a economia do país?
Areosa: Acredito que levará um certo tempo para que o Brasil volte a se organizar financeiramente. Ao mesmo tempo, nós estamos fazendo o que nos cabe. Ou seja, buscando alternativas e colocando em prática novas opções de negócios para driblar este momento difícil. Com trabalho e dedicação, a economia se estabilizará.
JC:De que forma a empresa vê as questões relacionadas com o meio ambiente, aqui no Amazonas?
Areosa: Percebo que apesar de estamos na Amazônia, as questões ligadas ao meio ambiente ainda são muito recentes. E nem todos se preocupam com esses detalhes na hora de criar um processo produtivo. No caso do Açaí no Ponto, que temos um fruto como matéria-prima não poderia ser de outra forma. Desde o início do negócio sempre buscamos adotar um maquinário que fizesse essa separação automática, assim, não há manipulação direta com o gelado comestível e principalmente, os resíduos já são descartados corretamente. Enfim, poder contribuir de forma sustentável e ecologicamente correta, é saber que estamos fazendo a nossa parte.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email