12 de maio de 2021

Qual a importância do empreendedorismo nos dias de hoje?
O empreendedorismo pode ser considerado como o principal motor da economia atual, ora por ser uma alternativa profissional em cenários de pessimismo e incerteza por parte das grandes corporações empregadoras da força de trabalho ou por ser uma opção de atendimento ao mercado, fruto da inovação.
O mercado com sua abrangência e competição, força as organizações a se reinventarem e a se modernizarem, travando verdadeiras batalhas pelas fatias mais lucrativas de mercado. Comumente essas mudanças passam por processos de melhoria da eficiência e de produtividade. Comumente isso mexe com o contingente de mão de obra. A indústria automobilística pode servir de exemplo, ela muda seu quadro de milhares de funcionários em uma planta fabril por pouquíssimos robôs. O profissional por sua vez se vê desempregado e pior, sem empregabilidade, pois todo o mercado contratante pratica a mesma ação extinguindo o cargo. Em não havendo emprego a alternativa é empreender. Por outro lado, a iniciativa pode ser fruto de uma inovação que atenda às novas dores do mercado. Em ambos os casos se pode perceber que o empreendedorismo favorece a economia e a sociedade.

Para suportar movimento empreendedor é necessário conectar alguns atores e entender os principais conceitos desse habitat como, inovação, incubação de empresas, políticas e leis, recursos, investimentos e incentivos e principalmente visão e cultura empreendedora. No manual de Oslo da terceira edição, encontra-se a definição de inovação como sendo a implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente melhorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método organizacional nas práticas de negócios, na organização do local de trabalho ou nas relações externas. O qual também divide a inovação em quatro áreas: produto, processo, marketing e organização. Nesse cenário, as incubadoras, comumente oriundas das universidades, cujo o principal papel é concentrar em um ambiente propício as startups, servem de apoio, orientando e estimulando as inovações a virarem negócios que possam atender ao mercado gerando valor e renda. Por consequência as startups são as empresas embrionárias que detêm um determinado grau de inovação, e que conseguem atingir a um grande mercado. Por sua vez a inovação não aparece ao acaso, ela nasce do fruto de pesquisas sistematizadas nas mais diversas áreas, da dedicação de diversos estudos, de investimentos e de muitas horas de trabalho intenso de integração das mais diversas fontes do conhecimento. Dessa maneira pode-se perceber a importância das universidades, dos centros de pesquisa, dos investimentos das mais variadas formas, e dos incentivos a serem direcionados a essa atividade. Disseminar as características do perfil empreendedor também se apresta como um importante norteador reforçar esse habitat. A lei de inovação e outras ações do estado brasileiro são igualmente mecanismos de suporte à atividade empreendedora.

Entender as teorias e apoiar movimentos empreendedores, estimular a pesquisa, criar leis, mapear o perfil e as suas características, investir, estimular as inovações e ampliar esse habitat, é um bom caminho para o desenvolvimento econômico e social de qualquer país. O que ajuda tanto o empreendedor que foge da incerteza e do desemprego, quanto aquele que quer inovar por opção. Uma sociedade empreendedora é uma sociedade mais independente, mais autossustentável, e aqui se encaixa bem o papel das universidades para o sucesso dessa jornada.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email