18 de maio de 2021

Em Natal sem calor humano, Papai Noel Loránd Lajos deseja que 2021 seja diferente

Este ano foi ainda mais emocionante para o Papai Noel mais europeu de Manaus, o húngaro Loránd Lajos Jelényi. A maior satisfação de Loránd quando interpreta seu personagem é a interação com as crianças, sentá-las no colo, ou ao seu lado, e conversar com elas, saber de suas histórias. Por causa da pandemia do coronavírus, uma pequena cerca manteve os pequenos afastados a 1,5m de distância do Papai Noel.

Crianças visitaram o Papai Noel, mas permaneceram distantes, atrás da faixa de contenção

“Muitas choravam, querendo se aproximar de mim, estendendo os bracinhos. Era preciso os pais, e eu mesmo, explicar que não dava para ficarmos juntos por causa da pandemia, mas quem consegue convencer uma criança? Foi muito emocionante”, falou Loránd.

Em 2020 Loránd completa o quarto ano interpretando o bom velhinho, uma história que começou por acaso, em 2016, e se repete desde então com a aproximação do Natal.

“Minha esposa Auxiliadora recebeu o convite de um shopping para interpretar a Mamãe Noel, e eles estavam precisando de um Papai Noel. Como eu já tinha barbas e cabelos brancos, ela me indicou, mas chegou lá, me recusaram porque acharam minha barba muito pequena. Era agosto. Dava tempo de a barba crescer um pouco mais, mas não me aceitaram”, lembrou.

Chateado, Loránd e Auxiliadora, a bordo de seu jipão, foram para o interior numa viagem que começou em Santarém e acabou em Manaus, pela Transamazônica e BR 319. Nessa viagem o casal interpretou Papai e Mamãe Noel por onde passavam.

“Fomos parando nas comunidades, entregando brinquedos para as crianças, vestidos a caráter com gorro e óculos, e roupas com detalhes em vermelho e verde. Aí gostei da ‘brincadeira’ e resolvi investir no personagem. Viajei para o Rio de Janeiro, onde frequentei uma escola para Papais Noeis, e me ‘formei’ Papai Noel”, riu.

60 cm de barba

De volta a Manaus, Loránd abriu uma empresa especializada em oferecer serviços de Papai Noel. E tem sido assim desde então.

“Na empresa eu sou o diretor; o funcionário do mês, que todo mês ganha o prêmio de melhor funcionário; e nas horas vagas ainda sou carregador”, brincou Loránd, que parece nunca ficar com raiva.

O húngaro tem sido o Papai Noel preferencial do Manauara Shopping desde 2017. Somente em 2018 ele atuou no Shopping Sumaúma.

O curioso de Loránd é que desde que foi preterido, em 2016, por causa de sua barba pequena, ele passou a cultivá-la e nunca mais cortou um milímetro sequer dos pêlos.

“Naquela época eu prometi que nunca mais iria cortar minha barba e tem sido assim. Naquele ano ela media uns 10 cm, agora já está com 60 cm, e vai continuar crescendo”, afirmou.

Em 2021 Loránd já estava inscrito num concurso para a escolha da maior barba do mundo, que aconteceria na Nova Zelândia, mas foi adiado por causa da pandemia.

“Acredito que vá acontecer em 2022 e eu estarei lá, com a barba maior ainda. Posso não trazer o primeiro lugar, mas vou conseguir alguma premiação, pois já andei pesquisando os outros participantes e a minha barba está entre as maiores”, contou.

Loránd tem tanto ciúme de sua barba que, convidado para uma sessão de fotos, o fotógrafo quis dar um banho nela, mas Loránd não permitiu.

“Nem pensar. Só eu cuido dela, assim como cuido dos meus cabelos e dos bigodes, que também não corto, mas não cresce na mesma proporção da barba, apesar de estar bem grande”, explicou.

Rotina estressante

Com o uso da máscara de proteção contra o coronavírus, o bigode e a barba do Papai Noel húngaro perderam um pouco do charme e da visibilidade, e ele não gostou nem um pouco.

Lloránd usou máscara, o que acabou escondendo bigode e barba

“Minha barba recebe muitos elogios, mas este ano, nada, por causa da máscara. A vantagem é que eu não preciso arrumar o bigode, diariamente, e posso bocejar quando fico cansado. Pensa que Papai Noel não se cansa de ficar horas sentado?”, indagou.

Este ano, como nos anos passados, a rotina natalina de Loránd começou ainda em novembro, no dia 19, quando ele começou a personificar o bom velhinho. E vai continuar até o dia 26. Às vezes ele é contratado para festas já em janeiro.

“Às 11h começo a me preparar, em casa. Já chego ao shopping como Papai Noel. Sento no trono das 13h às 16h, depois paro por uma hora para ir ao banheiro e almoçar, tudo isso sem me expor, fora do trono. Às 17h recomeço o trabalho, que segue até às 21h”, informou.

Mas quem pensa que o trabalho de Loránd acaba aí, se engana. Ao sair do shopping ele já tem contratadas apresentações em bares, restaurantes e residências, onde fica até meia-noite.

“Em casa, eu e minha esposa produzimos vídeos que são difundidos para o mundo todo. Fazemos isso até 2h da manhã e só então vou descansar, para recomeçar tudo novamente no dia seguinte”, disse.

“O que eu desejo é que 2021 seja o oposto de 2020 e que no próximo ano possamos nos abraçar e estar juntos. As crianças do Brasil, diferente das européias, querem pegar, abraçar, estar junto, e não existe nada melhor do que esse calor humano, que tanto fez falta nesse Natal”, finalizou.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email