EM 2011 – Inflação oficial tem maior taxa desde 2004

A inflação oficial, medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), fechou 2011 com uma taxa acumulada de 6,5%, o maior resultado desde 2004, quando o índice subiu 7,6%. O indicador também superou o resultado de 2010, quando a taxa ficou em 5,91%, e atingiu o teto da meta estipulada pelo Banco Central para 2011, de 4,5%, com margem de 2 pontos percentuais para baixo ou para cima.
No resultado mensal, o IPCA subiu 0,5% em dezembro de 2011, após aumentar 0,52% em novembro. Em dezembro de 2010, a taxa havia ficado em 0,63%. O IPCA é o índice oficial utilizado pelo governo para definir o regime de metas de inflação no país. Os dados foram divulgados ontem pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).
O aumento na renda e a melhora no mercado de trabalho, com mais ofertas de emprego, foram alguns dos fatores que contribuíram para a elevação dos preços das refeições consumidas fora de casa. Com alta acumulada de 10,49% em 2011, esse item foi o que exerceu o principal impacto individual sobre a inflação do ano, medida IPCA. A avaliação é da gerente de pesquisa do IBGE, Irene Maria Machado.
“Todos os itens de refeição fora de casa subiram mais este ano, como lanche, refeição e café da manhã. Isso pode ser explicado, em parte, pelo aumento da renda e do emprego, porque com isso mais pessoas comem na rua. Além disso, os preços mais elevados dos alimentos, que são matéria-prima para essas refeições, associados aos aumentos em serviços, como aluguel e empregado doméstico, que fazem subir os custos para os estabelecimentos do setor, pressionaram o resultado”, explicou.
Ela destacou que, embora a taxa do grupo alimentação e bebidas tenha crescido menos entre 2010 e 2011, passando de 10,39% para 7,18%, o grupo foi o que exerceu o maior impacto na inflação do ano.
“Eles respondem por mais de 23% do orçamento das famílias e têm um peso grande na composição do IPCA”, acrescentou.
A gerente do IBGE ressaltou, por outro lado, que a redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), que incide sobre alguns eletrodomésticos, como fogão e geladeira, ajudou a conter a alta do IPCA no ano. Sem essa medida, adotada pelo governo, a inflação poderia ter ultrapassado o teto da meta para o ano, fixada em 4,5% com margem de 2 pontos percentuais para cima ou para baixo.
“Poderia ter estourado [o limite da meta] porque os eletrodomésticos ajudaram o [índice] do grupo artigos de residência a ficar mais baixo em 2011. No ano passado, ele teve alta de 3,53% e este ano, a variação foi zero”, destacou.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email