Elogios e penalidades nas grandes empresas

O grande diferencial que devemos ter para o mercado é saber administrar e influenciar pessoas a fim de realizar tarefas de modo voluntário dentro das organizações. Saber elogiar e penalizar na hora certa faz do gestor de pessoas um profissional que sabe lidar com as adversidades dos momentos vividos.
Hoje se fala muito em equilíbrio emocional, todavia, pouco se faz e o desequilíbrio nas relações é uma realidade que cria o nosso famoso estresse. Este mal do século ocorre devido à urgência de resolver os assuntos e processos criando uma grande necessidade que teori­camente podemos resolver de i­mediato, mas, na prática, é bastante diferente. Devemos aprender a lidar com pessoas pa­ra poder lidar com situações.
Precisamos ter o cuidado quan­do do elogio ou quando da penalidade. Podemos elogiar alguém e este ficar extremamente chateado pelo modo como foi conduzido o processo ou até mes­mo pelo momento escolhido. Também podemos penalizar e a pessoa ou o profissional agradecer e ainda informar que realmente merecia tal ato. Nas duas situações o sucesso virá dependendo de como teremos a sensibilidade de realizar todo o processo. O que vemos são profissionais e organizações cada vez menos sensíveis às pessoas, criando barreiras maiores entre capital e trabalho (patrão e empregado) dificultando consideravelmente a administração de pessoas. As lideranças das organizações atuais, muitas vezes, esquecem de agradecer e elogiar os funcionários, quase sempre, achando que tudo bem feito é uma obrigação, porém, quando do desvio ou erro acham necessário penalizar e algumas vezes penalizando em locais e momentos não apropriados.
Administrar bem os momentos organizacionais e as pessoas é saber que o sucesso virá como resultado final. Não podemos imaginar que as pessoas e os profissionais farão tudo 100% certo e do modo solicitado, assim devemos saber da necessidade da presença de um líder para conduzir um processo a fim de transformar dificuldades em facilidades, buscando o equilíbrio emocional, inicialmente o seu e após os de seus liderados. O desequilíbrio emocional po­de criar inúmeras ­situações desn­cessárias e prejudiciais à ­organização a partir do momento que não é administrado devidamente causando sérios transtornos, ­muitas vezes, irreparáveis devido à falta de controle pelo simples motivo de não possuírem a prática necessária, colaborando com a criação de situações amadoras em um mer­cado profissional.
Devemos treinar o ato de elogiar para podermos aprender e não devemos e nem podemos esquecer de que as pessoas e os profissionais são diferentes e precisam ser tratadas de modo personalizado. Já, penalizar, na maioria das vezes, não precisa necessariamente treinar, precisamos nos capacitar aprendendo como aplicar a penalidade que trará benefícios futuros para todos os envolvidos no processo. Administrar pessoas é, também, administrar momentos.
Certamente, a partir do momen­to que aprendermos a elogiar e penalizar de modo coerente e correto no momento apropriado teremos profissionais e colaboradores satisfeitos em nossa organização e assim ficará mais fácil gerenciar e liderar pessoas, momentos e emoções.

FLÁVIO GUIMARÃES é diretor da Guimarães Consultoria e Treinamento Empresarial, administrador de empresas, especialista em Empresas Públicas e Privadas. E-mail: [email protected]

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email