Economia e Novos Negócios – Perspectivas e Tendências para 2021

Como é de conhecimento geral, 2020 foi um ano totalmente atípico, pois, devido a Pandemia da Covid-19 em todo o Planeta, as vidas e os hábitos das pessoas precisaram sofrer alterações, seja em maior ou em menor proporção. E no mercado de trabalho não foi diferente. Muitos perderam seus empregos em virtude da crise que também refletiu diretamente na economia do Brasil e do mundo. Por exemplo, só no 2º trimestre do ano passado a taxa de desemprego entre os trabalhadores jovens na faixa de 18 a 24 anos chegou a quase 30%, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Isso fez que muita gente recorresse a novas formas de obter renda. Serviços como o Comércio Eletrônico (conhecido também como e-commerce), o Delivery (serviços de entrega de produtos nas residências) ou o Drive-Thru, por exemplo, (onde a pessoa faz a retirada da compra ou serviço de dentro do próprio carro) tiverem um crescimento muito grande em decorrência das restrições impostas pelas medidas de distanciamento social tomadas pelos governos, para evitar aglomerações e a consequente maior possibilidade de contágio pelo novo Corona Vírus. Até mesmo serviços como a vacinação de idosos foram disponibilizados na modalidade Drive Thru em vários lugares do Brasil.

E muitos destes novos hábitos de vida, trabalho e consumo devem se tornar uma realidade fixa, uma vez que trouxeram praticidade, comodidade e economia de custos para os cidadãos; tanto para consumidores quanto para empresários, comerciantes e empreendedores. A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgou no começo de dezembro passado uma projeção para o resultado do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro para 2021, com a previsão de uma leve alta percentual. E boa parte dessa expectativa de reação da economia nacional pode ser ajudada pelas ações empreendedoras.

Naquele período também, muitas empresas passaram a permitir que várias tarefas fossem realizadas por seus colaboradores direto de suas casas (Home Office) por meio da internet, o que deve virar uma tendência também, ao passo que medidas como esta geram uma economia de recursos às instituições, ao mesmo tempo que demandam da organização um melhor planejamento para saber quais funções realmente são imprescindíveis de serem cumpridas somente de maneira presencial. E esta nova modalidade de trabalho, que teve grande adesão a partir do período do auge pandêmico da covid-19, também contribui para diminuir mais o fluxo de trânsito nas avenidas das grandes cidades e de usuários no transporte coletivo nos horários de pico, uma vez que menos pessoas terão que fazer o deslocamento para exercer suas atribuições organizacionais presencialmente.

No campo do Empreendedorismo, as perspectivas são muito positivas e promissoras. Só no ano passado o Setor teve um avanço importante na quantidade de novos negócios criados no 2º quadrimestre, com mais de 782 mil abertos entre maio e agosto de 2020, de acordo com dados do Ministério da Economia. E segundo o levantamento realizado, muitos dos que passaram a empreender foram motivados pela necessidade de encontrar novas fontes de renda e não propriamente por vocação, uma vez que milhões de brasileiros ficaram desempregados, especialmente no período de pico da pandemia, em que diversas empresas tiveram que reduzir os seus quadros de funcionários e outras acabaram indo à falência.

 E as novas tendências de mercado para 2021 certamente estarão vinculadas aos novos hábitos, ou ao chamado “novo normal” do pós-pandemia. Setores como tecnologia, delivery e vida saudável deverão estar em alta. E dentro deste universo, algumas vertentes deverão merecer atenção especial para quem deseja empreender. São elas: O comércio eletrônico de produtos de informática; o desenvolvimento de games para celular; a venda de produtos vegetarianos e veganos; os serviços de TI (Tecnologia da Informação); as entregas de lanches e refeições; as vendas de cosméticos naturais e artesanais; os negócios imobiliários e a comercialização dos chamados infoprodutos (como vídeo-aulas e cursos online), que são produtos não tangíveis, que podem ser vendidos ou disponibilizados via internet.

Contudo, não podemos deixar de ressaltar que essas são tendências e não certezas. Mas, diante de tudo o que foi abordado, podemos ter a plena dimensão que este novo ano vai ser muito propício àqueles que enxergarem essas oportunidades de crescimento e conseguirem se reinventar, fazendo com que os seus respectivos segmentos de atuação possam estar plenamente adaptáveis ao “novo normal” da população. Persistência, pesquisa de mercado, soluções inovadoras, ousadia, busca por parcerias e investimento em capacitação serão características determinantes para aqueles que querem lograr êxito na área econômica e de negócios neste novo ano de 2021.

E nesta data tão significativa para a área da comunicação na nossa região, quero deixar uma homenagem especial ao nosso querido Jornal do Commercio, que há 117 anos ininterruptos está a serviço da população amazonense, com informações e análises precisas; e que vai continuar exercendo o seu brilhante papel, sempre ao lado da nossa sociedade para que você, prezado leitor, possa estar a par de toda a dinâmica de transformação no Amazonas, no Brasil e no mundo em 2021; com a mesma isenção, dedicação, credibilidade e competência que são peculiares ao Jornal. Os meus Parabéns a todo o Time Valoroso do JCAM! Que DEUS nos abençoe e nos guie sempre!

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email