Vamos refletir numa história que retirei do livro “Vitória Sobre a Tentação” de Bruce H. Wilkinson:

“Quando nossa família era bem jovem, tínhamos uma espécie de ritual que nossos filhos nos imploravam a repetir tanto quanto possível. Colocávamos todos em fila no corredor e, um a um, pedíamos que ficassem de costas para a porta de um cômodo. Com o auxílio de uma régua sobre suas cabeças, fazíamos uma linha na porta e anotávamos a data de quando havíamos registrado a altura de cada um. Deste modo, desenvolvemos um simples gráfico de crescimento. As crianças pediam que medíssemos seu crescimento.

Certo dia, quando eu estava saindo da cidade para uma viagem, Bev, minha segunda filha, disse que tomara a decisão de crescer enquanto eu estivesse fora (havíamos marcado sua altura havia pouco tempo).

No exato momento em que pus os pés fora do avião, já em Dallas, Bev veio me receber ansiosa: “Papai! Papai! Vamos logo para casa! Você precisa ver o quanto eu cresci!”.

Assim que chegamos em casa, pegamos uma régua e fomos ao quadro de crescimento para medir seu progresso. A distância entre a última linha e esta não passava de um ou dois milímetros, mas ela pulava de alegria, dizendo: “Papai, viu só? Eu cresci, mesmo!”.

Mais tarde, naquele mesmo dia, eu e ela conversávamos na sala de estar. Ela me fez uma daquelas perguntas que todos nós esperamos que as crianças nunca façam: “Papai, por que as pessoas grandes param de crescer?”.

Não me recordo do que disse a ela, mas tenho certeza de que foi algo bastante superficial. Provavelmente alguma coisa como: “Bem, Bev, na verdade eles não param. O que acontece é que não crescem mais para cima, mas para os lados!”.

De qualquer forma, muito tempo depois de ela ter crescido e ter-se tornado adulta, Deus estava trabalhando essa pergunta em meu coração. Por que as pessoas param de crescer? Há algum modo de fazer com que elas voltem a crescer novamente?”

Ser muito inteligente ou ter atitude?

Precisamos perceber que viver é crescer! No minuto em que se para de crescer, começa-se a morrer. Uma pessoa sem sonhos, sem objetivos futuros, é uma pessoa morta.

O que importa não é a quantidade de verdade que está em sua mente, mas o quanto está em sua vida. Conheço pessoas que sabem muito sobre diversos assuntos, sabem como fazer tais coisas, mas infelizmente não aplicam nada em sua vida. Melhor é fazer, do que ser muito inteligente, mas não por nada em prática. O quanto você sabe, intelectualmente, não é o ponto chave. O ponto é o quanto você está aplicando o seu conhecimento.

Me vem a mente que o que de fato a sociedade precisa, não é de mais livros, programas de TV, CDs, programas de rádio e similares, ensinando a como se fazer. O que a sociedade precisa é de relacionamentos com pessoas que, de fato, fazem. Geralmente, nós somos o que vimos as pessoas que nos cercaram, serem no passado. Precisamos hoje, nos acompanhar com bons exemplos, para que venhamos a ser pessoas melhores. Digo isto no âmbito profissional, secular, familiar, espiritual. Precisamos de modelos que exemplifiquem com a vida o que é ser adulto e continuar crescendo.

Isso não quer dizer que todo o peso deve ser colocado sobre esses mentores, de forma que eles nos levem de um estágio a outro. Cada um tem sua própria responsabilidade nesse processo.

Quatro coisas que você pode fazer para vencer este desafio

  1. Encontre um mentor.

Todo homem precisa de um Paulo (no meu caso, o meu pai) uma pessoa mais madura e um companheiro. Não se prenda ao fator idade, simplesmente procure pessoas que você acha que possam ajudá-lo a crescer e a atingir os objetivos de sua vida.

  1. Faça disso seu estilo de vida.

Não estamos falando em ter um único mentor para o resto da sua vida, isto seria bastante incomum. Você precisará de vários mentores durante o curso da sua vida. Pessoas com diferentes perspectivas que vão contribuir de diferentes formas nos diversos estágios de seu desenvolvimento. Portanto, você deverá estar sempre em busca de mentores piedosos.

  1. Arrume mentores para seus filhos.

É óbvio que como pai ou mãe você desempenha o papel principal no desenvolvimento de seus filhos, mas você não consegue fazer tudo por eles. Assim, é sábio procurar professores, líderes, técnicos e outras pessoas a sua volta que desejem ter seus filhos sob suas asas. Assim, seus filhos nunca poderão dizer, quando já grandes, que ninguém se importou com a vida deles.

  1. Sirva de mentor para alguém.

Além de ter um Paulo, todo homem precisa de um Timóteo, um homem mais novo cuja vida estamos construindo. Você tem obrigação de compartilhar aquilo que Deus lhe deu, seja o que for, com alguém que necessite.

Você está disposto a mudar e crescer?

Boa semana!

Fiquem com Deus!

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email