Dólar fecha a R$ 2,027 para venda, em baixa de 3,19%

A relativa calmaria das Bolsas e o tom mais positivo dos negócios permitiu que o mercado de câmbio retomasse sua tendência predominante de baixa.
Profissionais relataram poucas operações nas corretoras, num reflexo da precaução natural de compradores e vendedores contra “novidades” no final de semana sobre o mercado de crédito imobiliário americano.
O dólar comercial foi negociado a R$ 2,027 para venda, em baixa de 3,19%, no encerramento dos negócios de sexta-feira. Nas casas de câmbio paulistas, o dólar turismo foi cotado a R$ 2,150 (valor de venda), com decréscimo de 4,86% sobre a cotação final de sexta-feira.

O Banco Central voltou a se ausentar do mercado e não realizou o seu habitual leilão de compra de moeda.
A autoridade monetária informou reservas internacionais de US$ 160 bilhões até ontem. Corretores mencionaram algumas poucas operações de importadores, que ficaram de fora dos negócios durante as turbulências de ontem.
O gerente de operações da Renova Corretora, Cristiano Zanuzo, está entre os profissionais de mercado que não contam com o retorno das taxas para R$ 2. “Temos que esperar, no entanto, o que vai acontecer no final de semana -se mais empresas vão anunciar problemas por causa das hipotecas dos EUA”, diz ele. “Reproduzo o que já ouvi de colegas de mercado e analistas de grandes bancos: a gente ainda não conhece toda a verdade do que aconteceu lá fora”, acrescenta.

Juros futuros

O mercado futuro de juros devolveu parte dos “exageros” dos dias anteriores. O contrato para janeiro de 2008 projetou juro de 11,28%, contra 11,36% anterior. No contrato de janeiro de 2009 a taxa projetada retraiu de 12,18% para 11,75%. E no contrato de janeiro de 2010 a taxa negociada cedeu de 12,52% para 12,01%.

Bovespa fecha em alta

O mercado encerrou a semana mais turbulenta do ano em tom positivo. Contribuíram para o fechamento, primeiro, a percepção entre investidores de que a “Bolsa já caiu demais” e que algumas ações ficaram a preços oportunos; segundo, a ação do FED (BC americano), que promoveu um alívio geral entre as Bolsas de Valores.
O Ibovespa, indicador da Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo), finalizou o dia em alta de 1,13%, aos 48.559 pontos. Trata-se do primeiro fechamento positivo da Bolsa brasileira, após seis pregões consecutivos com desvalorização das ações. O volume financeiro foi alto: R$ 6,64 bilhões. A taxa de risco-país, medida pelo indicador Embi+ (JP Morgan), marcou 209 pontos, número 7,11% inferior à pontuação final anterior.
Pela manhã, as Bolsas asiáticas fecharam ainda sob efeitos do pânico que tomou conta dos mercados. O pregão japonês fechou com o seu menor resultado em um ano, derrubado pelo “fator medo”, como mencionaram analistas locais. As Bolsas européias também operavam com ações em queda.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email