Dilma vai reduzir tarifa elétrica

A presidente Dilma Rousseff anunciou ontem (11) novas medidas para reduzir as tarifas de energia elétrica. A redução, segundo ela, pode ser maior que os percentuais já anunciados, de 16,2% para o consumidor residencial e de 28% para indústrias e empresas. Com a iniciativa, o governo pretende dinamizar a economia e torná-la mais competititiva. Durante o anúncio, ela lembrou do período de racionamento e apagões que aconteceram em 2001, no governo de Fernando Henrique Cardoso, e destacou que as medidas anunciadas ontem são fruto de um trabalho que começou em 2003, no primeiro ano do governo Lula, quando ela era ministra de Minas e Energia.
Para viabilizar a redução, alguns encargos adicionais deixarão de ser cobrados, como o que o consumidor paga para financiar o sistema e que não tem relação com o seu consumo de energia. Foram eliminadas a CCC (Conta de Consumo de Combustíveis) e a RGR (Reserva Global de Reversão). A CDE (Conta de Desenvolvimento Energético) continuará sendo cobrada, mas ficará reduzida a 25% do valor atual. “Isso significa baixar custos de produção e preços de produtos para gerar renda e emprego”, disse Dilma.
Segundo a presidente, o governo trabalhou intensamente nos últimos 20 meses para resolver as demandas de conjuntura e estrutura. “Um governo tem que olhar sempre no curto, médio e longo prazo. Estamos olhando sempre o que as urgências nos mandam fazer, e há urgências”, disse. Ela afirmou ainda que o governo teve de tomar medidas pontuais e urgentes, decorrentes da crise mundial, mas que, ao mesmo tempo, adotou iniciativas estruturais e duradouras na economia.

Renovação das concessões

Outro fator que contribuirá para a redução dos valores será a renovação das concessões de usinas e linhas de transmissão, cujos contratos vencem a partir de 2015. O governo pretende mudar a atual legislação para permitir a renovação, mas isso só será feito se as empresas aceitarem retirar das tarifas o repasse dos investimentos já amortizados. Dessa forma, a redução já poderia ser feita a partir de 2013 e não precisaria esperar até 2015, quando os contratos venceriam. A prorrogação poderá ser feita por, no máximo, mais 30 anos. A presidente assinou e encaminhou para o Congresso Nacional a medida provisória que permitirá a implementação das ações anunciadas.
Para Dilma, a reformulação do setor eliminará a possibilidade de racionamento e aumentará o investimento em geração de energia. “[As medidas] só são possíveis porque o país tem energia hidrelétrica, o que garante repasse da tarifa para o consumidor”, disse.

Reivindicação da indústria
A redução do custo de energia é um dos principais pedidos do setor industrial brasileiro para aumentar a competitividade do país. O setor sofre com a crise internacional e é foco de preocupação tanto do governo quanto do mercado. É apontado como um dos principais empecilhos para uma retomada mais forte da economia.
Antes do pronunciamento de Dilma, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, detalhou como será feita a redução das tarifas. A redução média das tarifas para usuários de alta tensão, ou seja, empresas e indústrias, vai variar de 19,7% a 28%. Já para os usuários de baixa tensão, ou seja, os consumidores residenciais, vai ser de 16,2%. Em média, a redução global será de 20,2%, dos quais 7% serão causados pelos aportes da União e pela redução dos encargos e 13,2%, pela renovação das concessões. Lobão anunciou que os aportes da União no setor somarão R$ 3,3 bilhões.
A presidente afirmou que a redução pode ser ainda maior, depois que a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) concluir estudos sobre custos, que deve acontecer em março do ano que vem.
Para Lobão, essas medidas irão aumentar o poder aquisitivo do brasileiro. Ele classificou a decisão como uma das iniciativas mais arrojadas da presidente Dilma para impulsionar o crescimento do país.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email