17 de agosto de 2022
Prancheta 2@3x (1)
A taxa de desmatamento na Amazônia caiu 28% em julho em comparação com ju–nho. Os dados foram divulgados ontem pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

A taxa de desmatamento na Amazônia caiu 28% em julho em comparação com ju–nho. Os dados foram divulgados ontem pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).
Segundo o sistema Deter, que capta o desmatamento em tempo real com o uso de imagens de satélite, foram perdidos 225 km2 de floresta na região no mês passado, contra 312 km2 em junho. Em comparação com julho do ano passado, a queda foi de 50%.
Mesmo assim, o Deter indica que o desmatamento no ano de 2011 (medido de agosto de 2010 a julho deste ano) foi maior que o do ano passado. Em 2010 a Amazônia registrou a taxa de devastação mais baixa já medida pelo Prodes, o sistema do Inpe que dá as cifras oficiais do corte da floresta -foram 6.400 km2 desmatados, uma área quatro vezes maior que a da cidade de São Paulo.
A reportagem apurou, no entanto, que o dado de 2010 será revisto para cima neste ano e deve ficar em torno de 7.000 km2. O procedimento de revisão é normal.
De agosto de 2010 a julho de 2011, o Deter apontou 2.654 km2 desmatados na Amazônia, um crescimento de 15% em relação ao período agosto de 2009/julho de 2010 (2.295 km2). O Deter, porém, é menos preciso e não enxerga pequenos desmatamentos, que são cada vez mais frequentes na região. Por conta dessa “miopia”, ele não é usado para cálculo de área desmatada, apenas para apontar tendências e auxiliar a fiscalização.
A série de dados do Deter indica que a reversão da tendência de queda do desmatamento começou em março. Em abril, quando o debate sobre o Código Florestal começou a ganhar destaque no Congresso, a devastação medida pelo Deter cresceu mais de 300% em relação ao mês anterior (e 835% em relação a abril do ano passado), o que levou a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, a convocar uma espécie de “gabinete de crise”.
Segundo o governo, contribuem para a escalada do debate as expectativas do setor produtivo em relação à anistia a desmatadores, o mercado de commodities agrícolas aquecido e a lei de zoneamento complacente em Mato Grosso.
O Ibama suspendeu todas as operações de fisca–lização no restante do Brasil e deslocou mais de 500 agentes para reforçar a fiscalização na Amazônia. Ações do próprio governo, no entanto, também estão se mostrando corresponsáveis pelo aumento no desmate.
O município mais desmatado em julho foi Porto Velho (RO), que abriga as usinas hidrelétricas do rio Madeira. O terceiro município mais desmatado foi Altamira (PA), onde será construída a megausina de Belo Monte, no rio Xingu.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email