Designer Rafaela Souza faz sucesso no Brasil e no mundo

Quem pensa que os bumbás de Parintins só tem artistas plásticos homens, se engana. O Garantido acabou de contratar Rafaela Souza, tornando-a a primeira mulher a colocar seu nome no seleto grupo de nomes consagrados da elite artística bovina. Mas a história de Rafaela vai muito além da ilha Tupinambarana.

Ela começou como muitos outros jovens da ilha cuja grande oportunidade de ganhar algum dinheiro é na época do Festival Folclórico, trabalhando no barracão de um dos dois bumbás.

Montando fantasias e alegorias, sem perceber, Rafaela foi desenvolvendo seu lado artístico e, sem que ninguém a ensinasse, observou que ela mesma poderia criar aquele tipo de material.

“Eu tinha uma tiara, feita com um material sofisticado. Um dia a desmontei e voltei a montá-la, usando materiais regionais. Percebi que utilizando material sofisticado junto com o regional, a peça ficava ainda mais bonita”, lembrou.

Rafaela se tornou a primeira cabocla a trabalhar na linha de frente de uma escola de samba do Rio – Foto: Divulgação

Da tiara para os cocares foi tudo muito rápido. Em 2012 Rafaela resolveu produzir cocares diferenciados, com design inovador onde entravam pedras e cristais, para vender durante o Festival. E venderam muitos, tanto que ela continuou repetindo a fórmula nos anos seguintes, até que aquele seu tipo de trabalho mais especial chamou a atenção de ninguém menos do que Cristiano Bara, carnavalesco da escola de samba Beija-Flor de Nilópolis, escola que ficou famosa, ainda com o carnavalesco Joãosinho Trinta, pelo requinte e luxo de suas fantasias.

Estreia na Beija-Flor  

“Em 2016 o ‘seu’ Chiquinho, proprietário da loja Babado da Folia, no Rio de Janeiro, fornecedora de material pros dois bumbás, trouxe o Cristiano Bara para conhecer o Festival Folclórico. Ele também conheceu o meu trabalho e se encantou”, disse.

No ano seguinte, o enredo da Beija-Flor seria ‘A virgem dos lábios de mel – Iracema’ e Cristiano convidou Rafaela para fazer o colar que seria usado pelas 250 passistas da escola. O colar fez tanto sucesso que eles pediram à parintinense que criasse o traje completo das passistas (colar, bracelete, saiote e perneira).

Colares e outros acessórios feitos com materiais regionais – Foto: Divulgação

“Reuni artesãs de Manaus e de Parintins para fazerem as 1.250 peças com jarina e açaí, que compunham o traje. Foi ali que, pela primeira vez, comecei a liderar uma equipe de artesãs. No total o material pesou meia tonelada, enviado para o Rio e utilizado pelas passistas no desfile da Marquês de Sapucaí”, falou.

“Não satisfeitos, ainda pediram que eu criasse trajes para o pessoal da ala de compositores, segundo e terceiros casais de mestre-sala e porta-bandeira, e destaque de chão. Esse destaque de chão ganhou um prêmio de melhor destaque”, completou.

Com isso, bem antes de ter seu talento reconhecido em Parintins, Rafaela se tornou a primeira cabocla parintinense a trabalhar na linha de frente de uma escola de samba do Rio de Janeiro coordenando uma equipe de artesãs.  

Vendo o sucesso que seus trabalhos faziam, ainda em 2016 a jovem já havia criado a sua marca de acessórios, a Potyra Acessórios (@potyraacessorios), produzindo colares, braceletes, brincos, e tiaras nos mais diversos modelos.

Colares são as principais peças feitas pela artesã – Foto: Divulgação

 Em Gmunden, na Áustria

Em 2018, surfando no sucesso, e levada por Cristiano Bara, agora carnavalesco da escola de samba Vila Maria, Rafaela fez as fantasias da comissão de frente da escola paulista, e outras agremiações ficaram de olho no seu trabalho.

“Em 2019 trabalhei para a X9 e Gaviões da Fiel. Ano passado para a X9, Leandro de Itaquera, Terceiro Milênio (que homenageou os artistas de Parintins), e algumas escolas menores. O mercado lá está totalmente aberto para mim. Infelizmente este ano não teve Carnaval, mas em 2022 espero voltar com força total”, adiantou.

2018 ainda reservava algo especial para Rafaela. A produtora de eventos Geise Perrelet viu suas postagens no Instagram e a convidou para expor suas peças em Gmunden, na Áustria. Ela mandou 20 peças e todas venderam. Em 2019 enviou 15, porém, com maior valor, e novamente os compradores não deixaram nenhuma na exposição.

“Ano passado eu iria pessoalmente levando 50 peças mas, por causa da pandemia, a exposição foi adiada e deve acontecer agora, em setembro, e eu vou”, riu.   

Conjunto de colar e pulseira – Foto: Divulgação

Este ano, mesmo sem a realização do Festival Folclórico, o Garantido contratou Rafaela para fazer a fantasia de um dos itens do bumbá, que ela mantém em segredo. Com isso, a moça se tornou a primeira mulher a ser contratada pelos bumbás como artista principal.

“Eu não desenho minhas peças ou fantasias. Eu faço direto. Se alguém contrata uma fantasia, ou manda a foto ou desenho de como a quer, ou explica o que deseja e eu vou fazendo e mandando fotos de todo o processo para ver se é aquilo mesmo que o cliente imagina”, revelou.

Quem quiser conhecer as peças produzidas por Rafaela, pode visitar a Casa Garantido, que será inaugurada hoje no Manauara Shopping. Na Casa estarão expostos os trabalhos de vários artistas parintinenses e Rafaela lançará a peça ‘muiraquitã vermelho’.

Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email