Pesquisar
Close this search box.

Desempenho no ano projeta faturamento perto do recorde de 2011

Em uma reunião rápida, o Codam aprovou a integridade da pauta de sua 308ª reunião ordinária, na tarde desta quinta (20). O único tema que permeou os poucos apartes do evento bimestral do Conselho de Desenvolvimento do Amazonas foi a repercussão positiva da licitação das dragagens para os pontos críticos das hidrovias do Estado. Em paralelo, a Sedecti (Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação) fez um balanço do desempenho do PIM e apontou projeções para a indústria incentivada, no segundo semestre.

Durante o evento, os conselheiros deram aval a um total de 44 projetos industriais que somam investimentos de R$ 698 milhões, previstos para os próximos três anos. A maior parte das iniciativas do PIM é de diversificação em empresas já instaladas (27), mas há também propostas de implantação de novos negócios (15) e de atualização de linhas de produção do Polo Industrial de Manaus. As proposituras projetam a criação de 991 empregos dentro do prazo legal de um triênio, além da realocação de 403 postos de trabalho dentro das próprias fábricas. 

“O Codam é um grande fórum do Estado do Amazonas para discutirmos desenvolvimento. Ele tem a responsabilidade, na sua pluralidade, de apreciar, aprovar e até mesmo rejeitar projetos que sejam submetidos ao seu crivo. No dia de hoje, a alegria de termos aprovado 44 projetos com investimentos de quase R$ 700 milhões e geração de quase 1000 novos empregos” destacou o titular da Sedecti, Serafim Corrêa. 

Em seu breve aparte, o vice-presidente da Fieam e presidente do Sindicato da Indústria Metalúrgica, Metalomecânica e de Materiais Elétricos de Manaus, Nelson Azevedo, não poupou elogios à atuação da secretaria. “Parabéns pela regularidade nas reuniões, a exemplo do que ocorre também na Suframa. Isso demonstra que nosso modelo de desenvolvimento segue atrativo, e que o investidor continua acreditando. Sempre temos projetos de implantação e modernização, com resultado de aumento de emprego e renda. Precisamos continuar nessa batalha, e pode continuar com o apoio das classes empresariais”, garantiu.

“Perto do recorde”

O secretário-executivo de Desenvolvimento Econômico da Sedecti, Gustavo Igrejas, fez um balanço da economia amazonense nos últimos meses. Os dados mais recentes da Suframa apontam que o PIM faturou US$ 9.5 bilhões no primeiro trimestre, atingido incremento nominal de 10,5%. “Isso nos leva a projetar que podemos chegar muito perto do recorde de faturamento de 2011, US$ 41 bilhões. Nossos principais subsetores continuam sendo os tradicionais: bens de informática e eletroeletrônico. Quem tem se destacado e retornado ao patamar histórico de produção é o polo de duas rodas, impulsionado pelas motocicletas”, analisou.

O secretário-executivo reforçou que em torno de 53% do faturamento do PIM continua concentrado em apenas seis produtos: motocicletas (15,1%), TVs LCD/OLED (11,5%), celulares (8,5%), placas para bens de informática (6,5%), condicionadores de ar split (6,3%) e concentrados (5,6%). “Há também produtos de participação relevante, como bicicletas, aparelhos de áudio, fornos microondas, monitores e relógios”, listou, acrescentando que a importação de insumos vem caindo, em benefício de maior agregação de valor com insumos nacionais. Da mesma forma, acrescentou que as vendas de manufaturados no mercado regional também têm avançado. 

Gustavo Igrejas apontou que os investimentos do PIM em máquinas e equipamentos fecharam o acumulado até março com US$ 10.4 bilhões e vêm se recuperando. “Esses números caíram muito por conta da crise de 2015/2016 e da pandemia, mas estão voltando aos valores normais”, reforçou. Já a média de mão de obra, entre efetivos, terceirizados e temporários, ficou em 116.423, patamar crescente, mas distante do pico de novembro de 2013 (130.000). “Estamos em uma curva crescente e recuperando o patamar histórico, sempre lembrando que a automação da indústria é cada vez maior”, frisou.

O balanço do secretário executivo da Sedecti mostra que, em 2024, já foram contabilizados 114 projetos aprovados no Codam, em escala crescente entre janeiro (32), fevereiro (38) e março (44), “demonstrando uma tendência positiva e consistente”, com 2.808 postos de trabalho e R$ 3,63 bilhões em investimentos. E disse que os números são crescentes também nos últimos anos. “Em 2023, tivemos aprovação de 257 projetos, o maior número desde 2015. As expectativas para o segundo semestre são ainda mais otimistas, com projeções indicando um desempenho superior ao do primeiro semestre”, asseverou.

Editais de dragagem

Representando a Suframa, o superintendente adjunto executivo da autarquia, Luiz Frederico Oliveira de Aguiar, ocupou o microfone apenas para parabenizar a Sedecti e elogiar a parceria institucional entre ambos os órgãos em torno de pautas de interesse da Zona Franca de Manaus. “Hoje, tenho a alegria de estar presente, uma vez que o superintendente Bosco Saraiva está usufruído de merecidas férias. Agradeço pelos esforços conjuntos que tivemos ao longo do ano acerca das questões da seca. Estamos lutando e tivemos a abertura da licitação para as dragagens e isso nos trouxe mais alegria”, declarou.

Serafim Correa respondeu ao cumprimento, celebrando o trabalho institucional conjunto. “Foi fundamental, para que os editais da dragagem saíssem ontem, a participação da Suframa. Houve um esforço coletivo de todos e, seguindo a diretiva do presidente Lula, de que os assuntos da Amazônia sejam tratados com carinho, tudo foi encaminhado. Não posso deixar de registrar nossa gratidão também ao vice-presidente e ministro do Mdic, Geraldo Alckmin. A licitação saiu e temos a garantia de que, nas próximas semanas, será contratada a empresa, que é o plano A para evitar o colapso das empresas de Manaus”, elogiou

O secretário estadual acrescentou também que a iniciativa privada se mobilizou em torno de um plano B para a eventualidade de uma nova crise hídrica. “Devo anunciar que os portos Chibatão e Superterminais se dispõem a montar estruturas temporárias, entre Itacoatiara e a Enseada do Madeira, de tal forma que isso seja uma válvula de escape, tendo dois portos temporários para o transbordo das mercadorias dos navios para as balsas. Tudo aquilo que tinha ser feito foi feito, sem vencedor ou vencido”, finalizou.

A 308ª reunião do Codam contou com a participação remota também do autoridades e representantes de entidades, incluindo o vice-presidente do diretor executivo da Fecomércio-AM, Igo Viana, além de representantes da Sefaz, Sema, Setemp, Prefeitura de Manaus, Afeam, Cieam, Faea, Aficam e Federação dos Trabalhadores na Indústria do Estado do Amazonas.

Marco Dassori

É repórter do Jornal do Commercio
Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Notícias Recentes

Pesquisar