7 de maio de 2021

Depois de 24 anos, o Amazonas tem a primeira cultura apoiada pelo ZARC

Um avanço gigantesco e inédito ao setor primário do Amazonas foi confirmado no site da EMBRAPA no último dia 16/07/2020. Exatamente no Dia de Nossa Senhora do Carmo, padroeira da minha Parintins. Quanto ao avanço gigantesco e histórico estou me referindo ao fato, de que, pela primeira vez, uma cultura agrícola (no caso o milho em grão) no Amazonas vai ter a Portaria do ZARC (Zoneamento Agrícola de Risco Climático) divulgada no Diário Oficial da União.

O que isso significa? Abaixo, detalho os benefícios dessa conquista. Acho que tem mais de 10 anos que venho alertando para essa necessidade ao nosso estado, aos nossos produtores rurais, mas também de grande interesse aos agentes financeiros operadores do crédito rural. Aliás, por uma questão de justiça, registro que o pleito do ZARC sempre foi uma bandeira defendida pela FAEA, e que sempre contou com o apoio da FETAGRI e OCB.

Nos primeiros meses do governo Wilson Lima o assunto ZARC entrou em pauta. Participei de encontro, que aconteceu no gabinete do Guilherme Pessoa, superintendente da SFA/AM, que contou com a presença do Sistema SEPROR, MAPA/SFA, FAEA, FETAGRI e EMBRAPA. Os governos anteriores sempre ignoraram essa ferramenta que já existia em todos os estados, menos no Amazonas. Um descaso da “Compensa” que acabou este ano. Aliás, o apoio ao ZARC faz parte do Plano Safra do Amazonas 2019/2020 lançado pelo Petrucio e Wilson no ano passado. Depois do milho, deve vir o da soja, guaraná, entre outros.

O QUE É ZARC?

É um instrumento de política agrícola e gestão de riscos na agricultura, elaborado a partir de estudo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa sobre as exigências mínimas de cada cultura a ser zoneada. Após passar por revisão anual no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Mapa, o Zoneamento Agrícola de Risco Climático é publicado em portarias divulgadas no Diário Oficial da União e no site do ministério, editadas por cultura agrícola e por Unidade da Federação, para vigência na safra indicada.

PARA QUE SERVE?

 O Zoneamento Agrícola de Risco Climático maximiza o rendimento e minimiza os riscos associados ao clima. Identifica os municípios aptos e os períodos de semeadura com menor risco climático para o cultivo das lavouras em diferentes ciclos de culturas e tipos de solo, garantindo a viabilidade econômica do investimento. O primeiro zoneamento do gênero foi usado na safra 1996 para a cultura do trigo. Como já disse acima, por total descaso dos últimos governadores, que deixaram de pleitear essa ferramenta ao governo federal, depois de 24 anos o nosso estado vai ter o milho em grão como a primeira cultura amparada pelas portarias do ZARC.

*Thomaz Antonio Perez da Silva Meirelles, servidor público federal aposentado, administrador, especialização na gestão da informação ao agronegócio. E-mail: [email protected]

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email