10 de abril de 2021

Denúncias são “mentiras envelhecidas”, diz PT

Presidente do partido, Rui Falcão, acusa Marcos Valério de atacar pessoas honradas e mentir para tentar reduzir a pena de prisão imposta pelo Supremo

O comando do Partido dos Trabalhadores (PT) divulgou nota ontem em que classifica as novas acusações feitas pelo empresário Marcos Valério Fernandes contra o ex-presidente Lula e outros petistas como “uma sucessão de mentiras envelhecidas, todas elas já claramente desmentidas”.
Reportagem publicada ontem pelo jornal O Estado de S. Paulo relata depoimento prestado pelo operador do mensalão à Procuradoria-Geral da República em setembro. Entre outras coisas, ele diz que o chamado valerioduto pagou despesas pessoais de Lula em 2003 e que o ex-presidente tinha dado “ok” para os empréstimos utilizados para pagar parlamentares. Conta, ainda, ter recebido ameaças de morte e que seu advogado é pago pelo PT.
“É lamentável que denúncias sem nenhuma base na realidade sejam tratadas com seriedade. Valério ataca pessoas honradas e cria situações que nunca existiram, pondo-se a serviço do processo de criminalização movido por setores da mídia e do Ministério Público contra o PT e seus dirigentes”, diz a nota assinada pelo presidente do partido, Rui Falcão.
O partido reclama do vazamento das informações “por quem teria a responsabilidade legal de resguardá-las”, em alusão à Procuradoria-Geral da República. Segundo Rui Falcão, as novas acusações contra os petistas são uma tentativa desesperada de Marcos Valério de diminuir a pena de 40 anos de prisão a que foi sentenciado pelo Supremo Tribunal Federal no processo do mensalão. O empresário foi condenado por formação de quadrilha, corrupção ativa, peculato e lavagem de dinheiro. Ele também foi condenado a pagar multa de cerca de R$3 milhões.

Barbosa defende que MP investigue Lula

Presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) e relator do processo do mensalão, o ministro Joaquim Barbosa defendeu ontem que o Ministério Público Federal investigue o suposto envolvimento do ex-presidente Lula com o esquema operado pelo empresário Marcos Valério.
Sem dar detalhes do conteúdo, Barbosa disse que teve “conhecimento oficioso” (fora dos autos) do novo depoimento prestado por Valério ao Ministério Público Federal, em setembro, após ter sido condenado a mais de 40 anos de prisão pelos crimes cometidos no mensalão em julgamento no Supremo.
Valério afirmou à Procuradoria-Geral da República que pagou despesas pessoais de Lula em 2003, por meio de depósitos na conta de uma empresa do ex-assessor pessoal de Lula, Freud Godoy, segundo revelou o jornal “O Estado de S. Paulo”.
Questionado se o Ministério Público deve abrir inquérito para apurar o envolvimento do ex-presidente, Barbosa concordou: “Eu creio que sim”.
Como Lula não tem mais foro privilegiado, ele seria investigado pela primeira instância. Ainda de acordo com a reportagem, Valério também relatou que Lula avalizou pessoalmente, em encontro no seu gabinete, no Palácio do Planalto, os empréstimos contraídos junto ao Banco Rural para alimentar o esquema de compra de apoio parlamentar. Segundo Valério, suas despesas com advogado são pagas pelo PT.
Ao longo de mais de quatro meses de julgamento, o STF definiu que o mensalão foi um esquema de desvio de recursos públicos e empréstimos fictícios para a compra de apoio de político no Congresso no início do governo Lula (2003-2010).
Dos 37 acusados, 25 foram condenados por crimes como corrupção, peculato, lavagem de dinheiro, entre eles o ex-ministro José Dirceu, homem forte do governo Lula. e o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares. As falas de Valério são recebidas com cautela pelo Ministério Público Federal, uma vez que a declaração poderia ser uma movimentação para se livrar da condenação. O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, já chegou a chamar o empresário de jogador.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email