Deficientes são recrutados para mercado

Os portadores de necessidades especiais devem ampliar a participação no quadro de empregados no PIM (Polo Industrial de Manaus) nos próximos meses. Para o mês de abril estão abertas 40 vagas para deficientes, considerando apenas as ofertas de duas empresas do sistema fabril.
A Tomatec, empresa fabricante de componentes elétricos está realizando o processo seletivo estimado para durar até a próxima semana. As vagas são para compor o quadro de funcionários nas atividades de produção.
Com 225 funcionários e nenhum deficiente, a empresa abre oportunidade para o ingresso de 20 pessoas no perfil. O quantitativo representa quase 9% do atual quadro de contratados. O número das vagas dispara em relação ao determinado por lei em 3%, que seria a inclusão de algo como sete deficientes.
A observação do desempenho dos funcionários com estas características no mercado é apontada como motivação para a busca de admissão.
“Eu vou à fábrica da Philips (empresa para qual fornece componentes) e vejo como eles são comprometidos. Querem se mostrar iguais e capazes de desempenhar funções normais na empresa, eles ainda se destacam no empenho”, observa o diretor da Tomatec, Paulo Roberto Squadrani.
Conforme o Censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas) de 2000, onde foram registrados 228 mil deficientes físicos em Manaus. As empresas ainda encontram dificuldades na própria falta de estrutura para a inclusão de deficientes no quadro de funcionários.
“Estamos buscando por pessoas com grau leve de deficiência, pois temos restrições por falta de estrutura para atender algumas necessidades especiais. A princípio, estão fora os candidatos cadeirantes. As nossas vagas são para quem possa trabalhar horas em pé”, especifica a gerente de recursos humanos (RH) da Tomatec, Elizabete Frota.
A empresa fez parceria com a Adef (Associação de Deficientes Físicos do Amazonas). Segundo a gerente de RH, a proximidade facilita o processo seletivo por a associação ter banco de dados especificando o tipo de deficiência dos possíveis candidatos às vagas.
Assim como a fabricante de caixas acústicas, a mesma quantia de vagas está aberta para as empresas da Ambev. São para ocupar função de operador de produção e repositor.
“Podem ser candidatos com deficiência visual e auditiva. Também intelectual, desde que seja leve. A exigência somente fica para a compatibilidade da pessoa com a função que vai exercer”, explica Alex Vicintin, diretor da Plura Consultoria e Inclusão Social, empresa especializada em seleção de deficientes para empresas em todo o Brasil.
Numa sociedade onde cerca de 27 milhões de pessoas apresentam alguma deficiência, o equivalente a 14,5% da população brasileira, conforme o IBGE, o diretor de seleção aponta como benefícios para as empresas a contratação como medida para atender a legislação além de oportunizar a convivência das pessoas com o diferente.

Lei de cota para deficiente

A lei nº 8.213, em vigor desde 1991, obriga toda empresa com mais de cem empregados a ter 2% de pessoas com deficiência compondo o quadro de funcionários. O percentual para as empresas maiores, com entre 201 e 500 colaboradores, é de 3%. A partir de 501 a mil empregados, deve ser 4%. Acima de mil contratados, sobe para 5% do quadro. No caso de descumprimento, a companhia está sujeita a multa que varia de acordo com a quantidade de funcionários com deficiência não contratados.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email