Custo da construção em Roraima é apontado como o maior do país

A construção civil em Roraima tem o maior custo médio por metro quadrado do Brasil. Enquanto a média nacional fica em R$ 595,68, o índice no Estado apresenta uma diferença de quase R$ 100 para mais, ficando em R$ 693,71. O número é 16,45% maior que o indicador do Brasil e 18,76% superior ao indicativo da região Norte, cujo valor é R$ 584,12.

Para o diretor-tesoureiro do Sinduscon-RR (Sindicato das Indústrias da Construção Civil de Roraima), Arnaldo Cruz, o custo médio da construção no Estado é influenciado pelo alto preço dos materiais básicos para obras. “Os principais insumos da construção são bem mais caros em Roraima que em outros lugares do país”, informou.

Conforme Arnaldo Cruz, o valor de uma saca de cimento de 42 kg, por exemplo, sai por R$ 23 no mercado local. “Enquanto que no comércio de Brasília, 50 kg desse produto custam em média R$ 12, ou ainda R$ 18, no mercado de Manaus”, justificou.

Na opinião de Cruz, o custo dos itens é maior em Roraima porque os produtos não são fabricados no Estado. “Como compramos de fora, do Sudeste principalmente, as despesas com transporte e frete ficam no valor dos materiais”, comentou.

Produtos importados

De acordo com o dirigente do sindicatow, a localização geográfica da unidade federativa influi no preço dos produtos importados.

“Hoje o algoz para o setor é mesmo o frete, mas precisamos ainda de mais incentivos fiscais, como o mercado de Manaus”, ressaltou Cruz. Segundo o sindicalista, o único produto que não pesa tanto no bolso no consumidor é a areia. “O preço desse item é bem competitivo em relação a outros mercados”, completou.

 O diretor-tesoureiro do Sinduscon-RR acrescentou ainda que o fato do custo da construção civil ser mais caro em Roraima, em comparação ao restante do país, já era de se esperar. “Há um outro fator que compõe esse preço: a mão-de-obra em Boa Vista é cara, em função do custo de vida na cidade da popualçao, que é alto”, concluiu.

Amazonas está entre os preços tidos como altos
Depois de Roraima, o único Estado da região Norte cujo custo médio de construção por metro quadrado supera a casa dos R$ 600 é o Amazonas. Nessa localidade, o valor fica em R$ 615,42. No restante do país, somente os Estados do Rio de Janeiro, São Paulo, além do Distrito Federal, tem custo acima do valor referido antes.

Os dados foram divulgados recentemente pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), no relatório do Índice Nacional da Construção Civil, calculado pela entidade, em parceria com a Caixa Econômica Federal.
 
Variação mensal

No mês de setembro, o índice nacional da construção civil teve variação de 0,42%, cerca de 0,13 ponto percentual em comparação a agosto (0,29%). Se por um lado o custo das obras em Roraima é o mais alto do Brasil, por outro, o Estado foi o que apresentou a menor variação mensal na região Norte, 0,12%, configurando-se entre os cinco mais baixos do país.

 Na mesma tendência, o acumulado anual e nos últimos 12 meses também tiveram as menores variações em todo o território nacional, respectivamente em 1,29% e 3,69%, diz o instituto.

No Brasil, o acumulado no ano está com 4,32% de variação e 5,39%, considerando-se os últimos 12 meses. Em nível regional, os percentuais de variação foram 5,08% (no ano) e 6,24% (nos últimos 12 meses).

 O relatório aponta que o custo nacional por metro quadrado subiu de R$ 593,17 (em agosto) para R$ 595,68, sendo R$ 341,94 relativos aos materiais e R$ 253,74 à mão-de-obra. A parcela dos materiais variou 0,59%, 0,20 ponto percentual acima da taxa de agosto (0,39%). Já a mão-de-obra, com 0,20%, avançou 0,04 ponto percentual em relação ao mês anterior (0,16%).

No ano, os materiais acumularam alta de 3,50%, acima da variação observada em igual período do ano passado (2,88%), enquanto para a mão-de-obra o percentual foi 5,45%, abaixo do ano passado (5,73%). Nos últimos 12 meses, foram observadas as seguintes variações: 4,74% (materiais) e 6,27% (

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email