Cursos online ganham mais espaço no país

A modalidade de cursos a distância ganhou força num ritmo acelerado com a pandemia do novo Coronavírus. O que evidencia que o novo formato conquista mais espaço e surge como aposta para as empresas diante da atual realidade. 

De acordo com o último Censo de Educação Superior no Brasil realizado pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), somente em 2018, no que diz respeito ao ensino superior, das 13,5 milhões de vagas oferecidas, 7,1 milhões foram para os cursos EAD. A pesquisa ainda revela que especialistas acreditam que daqui alguns anos a porcentagem de alunos em cursos presenciais e EAD será igual.

Estatísticas divulgadas pelo Instituto Embelleze,  voltado para a formação de profissionais da beleza, que há cinco anos conta com uma plataforma online chamada “Meu Instituto”, que leva conteúdos extras à todos os alunos da rede, mas que somente agora teve o engajamento de 100% dos alunos, aponta que no Amazonas, a quantidade de logins à plataforma do instituto, teve um aumento de 1346,5%, considerando a segunda quinzena de março. Ao considerar a quantidade de logins por diferentes usuários, houve também a partir da segunda quinzena de março um aumento de 997%.

Segundo o CEO da marca, Daniel Narcizo, o acesso a plataforma cresceu mais de 500% em apenas dois dias devido a pausa nas aulas presenciais. “Os professores estão ministrando aulas online para tirar dúvidas, os alunos, agora na quarentena, também encontrarão mais conteúdos sobre tendências, empreendedorismo, e aumentamos também o número de vídeo aulas. Tem sido uma experiência bastante positiva e, tanto alunos e professores, se adaptaram muito bem ao modelo de ensino”, comenta Daniel.

Andréa Silva, aluna do curso de maquiador e designer de sobrancelhas, afirma que a ociosidade em tempo isolamento motivou a busca pelos cursos. “A flexibilização no horário e as metodologias de aprendizado são excelentes para quem não quer ficar parado. Tenho aprendido muito. Para quem ainda tem dúvidas sobre cursos à distância eu recomendo investir”. 

Daniel conta que, além da plataforma, as redes sociais estão sendo muito importantes nessa adaptação. “Estamos aproveitando nossa audiência e nosso relacionamento para propor conteúdos relevantes para os alunos e para aqueles que gostariam de estudar conosco. Produziremos lives com especialistas e pessoas que são da área da beleza para oferecer aprendizado de uma forma mais descontraída, além de alguns conteúdos online disponíveis para todos.” O executivo afirma que todas as medidas foram tomadas com o objetivo de fazer com que os alunos não parem de absorver conhecimento na área em que desejam seguir uma carreira. “Estamos em um movimento muito forte para que os alunos não sejam prejudicados e continuem a aprender neste período”, complementa.

Franqueados

Daniel conta quais estão sendo as decisões da franqueadora a curto, médio e longo prazo. “Agora temos as orientações de estarmos em casa, trabalhando nosso propósito de transformar vidas de forma segura. A médio prazo, teremos, assim que autorizadas, as unidades reabrindo de forma estruturada, repondo aulas sem custos. Internamente estamos trabalhando intensamente no novo modelo híbrido de ensino, onde as escolas ganharão eficácia e o aluno muito mais dinamismo na aula”, explica. 

Quando o assunto são os franqueados, Daniel conta que existem diversas possibilidades para reduzir o impacto da quarentena e continuar motivando os responsáveis pelas unidades. “É essencial preservar o caixa, em forma de renegociações com fornecedores, captar crédito de forma responsável, com carência e taxas baixas, além de adotar medidas para diferimentos de impostos que os governos estão anunciando. No Instituto Embelleze disponibilizamos uma assessoria jurídica para os franqueados terem suporte e embasamento nessas decisões” finaliza.

Ensino superior

A Cogna, grupo de educação, também está oferecendo diversos cursos em plataformas online para o público em geral. No segmento de Ensino Superior, são 51 cursos para o público em geral e com certificado de conclusão. Os conteúdos estão disponíveis na plataforma da Aliança Brasileira pela Educação (https://ava.aliancapelaeducacao.com.br/).

Silvio Torres, que já havia tido a experiência de estudar à distância, decidiu ampliar os conhecimentos e investiu num curso de idiomas. “Observo que a oportunidade surgiu em boa hora. Vai ajudar no incremento do currículo”.  Embora estudar de casa implique alguns fatores, ele garante que é preciso ter disciplina e foco. E elogia a metodologia que propõe um infinidade de possibilidades. “O momento exige da gente mais disposição e principalmente criatividade”. 

Idiomas

Nessa pegada, em Manaus, o Grupo Embassy  Escola de idiomas, resolveu investir na modalidade. A empresa também passou a oferecer cursos exclusivos para quem sabe a importância de manter a rotina de estudos.

"O tempo de confinamento por causa da pandemia pode ser melhor aproveitado com a evolução da qualificação profissional das pessoas. O desejo de aprender um novo idioma fica ainda mais aflorado neste período, tendo em vista que as pessoas estão sem ocupação dentro de casa. Aproveitando esse desejo, nada melhor do que utilizar instrumentos para aprender ou melhorar o idioma. Com essa pandemia louca pelo país, todos nós acolhidos nos nossos lares, dá até tempo de parar e analisar o que a gente precisa para evoluir no idioma. As opções vão muito além dos filmes do catálogo de streaming ou as músicas no App preferido, e é pensando nesse público que nós lançamos uma série de cursos exclusivos on-line", relata a empresária proprietária da Embassy, Ana Paula Petrosino.

Entre os cursos está o "Intensive Program English". Com custo de R$ 250 por mês, as videoaulas interativas trazem assuntos relevantes que garantem o sucesso do aluno com o idioma. A Embassy analisa o perfil do aluno avaliando sua relação com o idioma, atribuições do cargo, necessidades imediatas.

“Com essas informações, preparamos aulas cheias de significados. Tudo é muito personalizado!", afirma Ana Petrosino. 

A chave do sucesso está relacionada à aplicabilidade e contextualização através de situações vivenciadas no cotidiano do indivíduo e também ao desenvolvimento de vocabulário, gramática e linguagem funcional (língua prática), habilidades produtivas – speaking e writing – e receptivas – listening e Reading.

 "Incorporamos apresentações de projetos, simulações de reuniões e dinâmicas de grupo. Os resultados obtidos ao longo dos últimos 12 anos comprovam que nossos alunos se sentem mais preparados e seguros para desempenhar suas atividades na língua inglesa".

O outro programa de curso on-line é o "Executive Program on-line". Um projeto para aqueles que desejam exclusividade no conforto do seu lar. É uma hora de aula ao vivo com um professor especialista. Ele aborda temas a pessoa escolher, além de atender no horário que o aluno estiver disponível.

"Esse curso é interessante porque o aluno pode ser preciso na sua necessidade. Ele escolhe o tema e on-line interage com o instrutor. O valor também é o melhor do mercado. Dr R$ 147,50 hora/aula, o curso está saindo por R$ 103", diz Ana.

O terceiro curso ofertado é Business English Online. Ele é feito em uma plataforma exclusiva da Embassy, com metodologia única, totalmente intuitiva e interativa. Foi desenvolvida para uma grande multinacional de Manaus, e agora está aberta para quem deseja aprimorar os conhecimentos durante a quarentena. O valor do lançamento é R$ 89,99 por mês e pode ser pago no cartão de crédito via pagamento recorrente (não compromete o limite do cartão).  

A empresária salienta ainda que todos os alunos têm acesso aos conteúdos exclusivos do TED e HSM. A Embassy também realiza convênios e contratos corporativos.

Opinião

Daniel Sounier, idealizador do projeto Educar para Empreender, que oferta de forma gratuita  uma plataforma digital para cursos de capacitação, com foco nas pessoas de baixa renda, avalia que na era do conhecimento, da informação e do aprendizado em que vivemos, a educação torna-se o elemento chave, com uma demanda cada vez maior por parte da sociedade. Mas para que as instituições possam continuar atendendo a essa demanda com qualidade, é necessário, entre outros fatores, promover mudanças nos modelos de ensino. 

“A educação na modalidade a distância (EAD) tem se tornado uma das principais ferramentas para a promoção das alterações necessárias nos modelos de ensino. Ela permite colaborar de maneira eficaz na formação continuada e na preparação de profissionais para atender ao mercado mundial. Tem também se apresentado como uma modalidade que pode contribuir substantivamente para mudar o quadro de formação e qualificação dos profissionais da educação. A despeito de sua importância, a implantação da EAD não ocorre sem o enfrentamento de diversas dificuldades”, ele acrescenta que além de exigir o domínio e a utilização de modernas tecnologias de informação e comunicação, demanda uma estratégia de ensino-aprendizagem especial e definida de maneira clara, que só poderá ser concebida a partir de mudanças na concepção de educação, nas políticas e nos processos que envolvem a criação de cursos e disciplinas. “Outros desafios enfrentados pelos profissionais que se envolvem com projetos a distância são aqueles relacionados ao planejamento e ao desenvolvimento do curso ou disciplina, bem como à produção do material didático e à tutoria”, mencionou. 

Aumento de 70%

Um levantamento realizado pela Catho Educação registrou um aumento de 68% em matrículas para cursos EAD ou semipresenciais, entre o período de 21 de março e 06 de abril.

Ainda de acordo com o levantamento, as primeiras semanas de quarentena já apontaram crescimento. Entre a semana de 03 e 20 de março, a plataforma já havia registrado acréscimo 44% na procura por cursos a distância.

De acordo com Fernando Gaiofatto, gerente da Catho Educação, as pessoas têm buscado na qualificação alternativas para sair da crise ainda mais preparadas para o mercado de trabalho pós-pandemia. Além disso, o profissional identifica o momento como ideal para testar outros formatos na execução de tarefas, inclusive, estudar e adquirir novas habilidades.

"Além do baixo custo, em comparação aos modelos tradicionais de ensino, os cursos EAD têm sua metodologia de enfoque maior na prática profissional, ideal para uma aprendizagem à distância. No atual cenário, o ensino pode ser encarado também como oportunidade, não só de qualificação mas também de adaptação às circunstâncias", afirma.

Ainda de acordo com outro levantamento da Catho Educação, o mercado de trabalho está mais aberto em relação a candidatos com cursos a distância, comparado há alguns anos. Segundo a pesquisa, para 79% dos recrutadores, o formato de qualificação – seja EAD ou presencial – não é critério determinante de avaliação para recrutar profissionais.

"A pesquisa reforça que a grande dificuldade dos recrutadores está em encontrar profissionais qualificados para preencherem as vagas. De acordo com 81,5% desses entrevistadores, esse é o ponto de avaliação imprescindível para contratação", explica Gaiofatto.

Fonte: Andreia Leite

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email