Crises e atentado a empresário do Amazonas

As comemorações pelos 351 anos da fundação de Manaus, que começou com o Forte de São José, às margens do rio Negro, assim como a crise que o País e o Estado do Amazonas vivem em decorrência, principalmente, da pandemia de covid-19, nos lembra outras crises pelas quais o Estado e Manaus já passaram e sobreviveram.

A mais virulenta, que parece só perder para atual de coronavírus, foi a crise da borracha, a qual, com sua derrocada, deixou a economia local às moscas até que a Zona Franca de Manaus (ZFM) a ressuscitasse, nos anos 1970.

No entanto, cabe lembrar um dos grupos econômicos que tiveram existência desde antes de a borracha se tornar riqueza local, e no decorrer de sua existência foram pioneiros em muitas atividades, como um dos primeiros supermercados foi por esse grupo fundado, o Peg-Pag, na Galeria JG, situada na avenida Eduardo Ribeiro. Vamos à história.

Aquele 27 de setembro de 1990 ficou na história do Amazonas dado o tamanho do incêndio que aconteceu no centro de Manaus. De acordo com jornais da época, começou às 13 horas e destruiu prédios situados na Eduardo Ribeiro, Quintino Bocaiúva, Marechal Deodoro e Theodureto Souto, quadrilátero que virou cinzas.

O mais complicado de tudo, porém, foi que o grande incêndio destruiu a Galeria Central, um conjunto de prédios que sediou as empresas do grupo J G Araújo & Cia., um dos principais jotas remanescentes dos tempos áureos da borracha. A galeria JG concretizava em tijolo e cimento, no Amazonas, talvez o Estado mais rico do País.

Em uma época em que as empresas alemãs, francesas e britânicas dominavam o comércio exportador de borracha a partir do Amazonas, o grupo JG , fundado em 1877, por Joaquim Gonçalves de Araújo, foi um dos mais bem-sucedidos e mais longevos.

Enquanto aquelas empresas cuidavam do comércio exterior da borracha, os portugueses, incluído o grupo de Joaquim Gonçalves de Araújo (J G Araújo), serviam no comércio interior do Estado, levando aos produtores de borracha o aviamento de mercadorias e insumos necessários à coleta do ouro branco, ao mesmo tempo em que o compravam.

De acordo com o pesquisador Samuel Benchimol, em seu livro “Manáos do Amazonas, memória empresarial”, o incêndio que acometera os armazéns ocupados por J G Araújo conforme o escritor, em outubro de 1989, embora jornais locais, como A Crítica e o Jornal do Commercio o noticiem conforme registramos.

O crescimento do grupo J G Araújo acontece principalmente em meados da década de 1910, com a retirada das grandes empresas que então faziam o comércio e exportação da borracha a partir do Amazonas.

O conglomerado J G Araújo, que naquela época fabricava até saltos e solados de sapato da marca Coroa, detinha em seu patrimônio empreendimentos como serraria, fazendas de gado, cultura de juta, entre outros iniciativas, nas quais a empresa atuou muito fortemente até os anos 1940.

Só para se ter ideia do tamanho do comércio de borracha feito pelo conglomerado, entre 1910 e 1916, Samuel Benchimol registra que o grupo J G Araújo vendeu 8,82 milhões de toneladas de borracha que, ao câmbio de 1992, corresponderia a 115 milhões de libras esterlinas.

A riqueza e o poder do comendador JG cresceu e, conforme se conta, ele teria sofria um atentado a bala. O tiro teria sido desferido por um negociante do rio Negro que negava a pagar uma dívida. Cobrado na justiça, o negociante atirou à queima roupa, e a bala teria atingido o cabo do guarda-chuva. O comendador teria, então, mandado colocar uma placa de ouro no guarda-chuva para comemorar sua salvação. E fato, no entanto, ocorreu, mas a vítima do atentado não foi o comendador JG, mas sim, o seu filho, o engenheiro Aluísio Araújo.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email