Crescimento mínimo no varejo nacional em fevereiro

As vendas do comércio varejista subiram 0,6% em fevereiro de 2021 ante janeiro, na série com ajuste sazonal, informou nesta terça-feira (13) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Assim, após dois meses consecutivos com variações negativas, somando queda de 6,3%, o volume de vendas do comércio varejista nacional voltou a crescer. O varejo se encontra agora no mesmo patamar de setembro de 2020 e 0,4% acima do patamar pré-pandemia (fevereiro de 2020).

O resultado foi em linha com o esperado. A estimativa, de acordo com consenso Refinitiv, era de alta de 0,6% na comparação com janeiro e de baixa de 3,9% na comparação com fevereiro de 2020 (baixa efetiva foi de 3,8%).

Entre maio e outubro de 2020, o comércio havia mostrado forte crescimento, porém, o cenário se reverteu em dezembro.

“O rendimento médio das famílias de baixa renda chegou a aumentar 130% com o auxílio emergencial e, por isso, o período de maio e outubro foi muito bom para o comércio varejista, que chegou a atingir patamar 6,5% acima do período pré-pandemia. Em dezembro, no entanto, o valor do auxílio diminuiu e, em janeiro, deixou de existir, e isso reduziu o consumo. Temos ainda impactando o varejo negativamente a inflação e outros fatores relacionados à pandemia, como as restrições locais ao desenvolvimento de algumas atividades”, avalia o gerente da PMC, Cristiano Santos.

Por outro lado, ele ressalta que a volta às aulas gerou aquecimento nas vendas. “Janeiro é um mês de contas extraordinárias, como IPTU e IPVA, então é comum um consumo menor no comércio. Já em fevereiro, temos a volta do orçamento mensal das famílias a uma maior normalidade e o retorno dos alunos às escolas, aquecendo as compras de material escolar. Assim, mesmo com o cancelamento do Carnaval, que impacta, por exemplo, em menores vendas de bebidas alcoólicas nos supermercados, tivemos uma variação positiva esse mês”, avalia Santos.

Quatro das oito atividades pesquisadas tiveram alta, sendo que a de livros, jornais, revistas e papelaria (15,4%) foi a que registrou o maior crescimento frente a janeiro. No entanto, essa atividade teve queda de 41% se comparado ao volume de vendas de fevereiro de 2020.

“Já faz algum tempo que esse setor tem tido queda, à medida que o mundo se digitaliza e o papel vai sendo cada vez mais substituído pelos meios digitais, mas, em fevereiro de 2021, a redução nas vendas foi bem mais forte que nos anos anteriores. Nesse caso, temos o fato de muitas escolas públicas ainda não terem iniciado novo ano letivo, por exemplo, e também o fato de muitas escolas não terem retomado as aulas presenciais. E, no geral, a pandemia já vem provocando a necessidade de mudança do material didático para melhor adaptação ao ensino remoto, reduzindo, portanto, a necessidade de livros físicos e outros artigos de papelaria”, comenta Santos.

As demais altas na passagem de janeiro para fevereiro de 2021 foram nas atividades de móveis e eletrodomésticos (9,3%), tecidos, vestuário e calçados (7,8%) e hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,8%).Sendo que os dois últimos também tiveram forte queda frente a fevereiro do ano anterior (-18,6 e -4,6%, respectivamente). Já os móveis e eletrodomésticos tiveram alta de 0,7% nesta comparação.

Dezenove das 27 unidades da federação tiveram taxas positivas em fevereiro frente a janeiro. Amazonas (14,2%), Rondônia (11,5%) e Piauí (8,3%) se destacaram positivamente. Por outro lado, Acre (-12,9%), Tocantins (-4,4%) e Distrito Federal (-2,1%) tiveram as maiores quedas.

Na comparação de fevereiro de 2021 frente a fevereiro de 2020, o varejo assinalou queda de 3,8% no índice geral. Assim, no acumulado do primeiro bimestre de 2021, contra igual período do ano anterior, o varejo apresentou decréscimo de 2,1%.

Varejo ampliado teve alta de 4,1%

Já no comércio varejista ampliado, que inclui as atividades de veículos, motos, partes e peças (8,8%) e de material de construção (2,0%), o volume de vendas teve crescimento de 4,1% na passagem de janeiro para fevereiro, após ter registrado dois meses de queda.

“Material de construção é uma atividade que tem crescido muito, tanto porque as pessoas, estando mais tempo dentro de casa, acabam vendo necessidade de fazer melhorias em suas residências, quanto pelo fato de que grandes obras também vêm sendo retomadas pelas construtoras”, ressalta Cristiano Santos.

Amazonas (20,2%), Rondônia (9,9%) e Piauí (9,5%) foram os Estados que registraram as maiores altas na passagem de janeiro para fevereiro no varejo ampliado. Por outro lado, Acre (-5,3%), Tocantins (-2,1%) e Amapá (-1,6%) foram os destaques negativos nessa comparação.

Frente a fevereiro de 2020, no entanto, o comércio varejista ampliado teve recuo de 1,9%, segunda negativa consecutiva (-3,1% em janeiro), após seis meses de altas consecutivas, e fechou o primeiro bimestre de 2021 com queda de 2,5%. Sendo que, em fevereiro, o segmento de veículos, motos, partes e peças (-3,8%) teve queda frente ao mesmo mês de 2020, enquanto o de material de construção cresceu 17,9%, nessa comparação.

Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email