Cresce 11,28% movimento de contêineres em agosto

A movimentação de contêineres cheios cresceu 11,28% nos portos de Manaus durante o mês de agosto, em relação ao mesmo intervalo de 2006. Segundo o relatório mensal elaborado pela SNPH (Superintendência Estadual de Navegação, Portos e Hidrovias), o total de unidades embarcadas e desembarcadas nos TUPs (Terminais de Uso Privativo) Chibatão e Super terminais foi de 12.188, contra 10.952 contêi-neres computados em agosto do último ano.
Como o Porto de Manaus não movimenta contêineres desde julho deste ano, o relatório da autarquia só agrega os resultados dos portos Chibatão e Super Terminais.
Segundo os dados da superintendência, o desempenho do setor em agosto refletiu o aumento expressivo nos negócios do Chibatão, terminal com maior movimentação de contêineres no Estado do Amazonas. Em agosto, o re-cinto movimentou 8.274 unidades (68% do total) e superou em 48,30% o volume re-gistrado em igual mês do ano anterior (5.579).

De acordo com o presidente da SNPH, Rildo Cavalcante de Oliveira, a liderança do Chibatão é resultado da participação que esse porto conquistou no mercado de cabotagem (realizada entre portos brasileiros) e da sua expansão nas operações de longo curso (realizada entre portos nacionais e estrangeiros).

Só no ramo de cabotagem, que representa aproximadamente 60% das cargas movimentadas neste terminal em 2007, o porto cresceu 43,40% em agosto. Foram movimentados 8.785 TEUs (Unidade Equivalente a Vinte Pés), que correspondem a 6,10m), 2.659 a mais que o contabilizado em agosto do ano passado (6.126 TEUs).

“O Chibatão é o único porto que recebe os navios da Aliança Navegação e Logística, já que este armador transferiu todas as suas operações de cabotagem do Porto de Manaus para o terminal privativo”, explicou Oliveira.
Já na navegação de longo curso, o crescimento do terminal foi de 45,78% sobre agosto do ano passado, mês em que a empresa obteve o melhor resultado de 2006. O total embarcado e desembarcado no oitavo mês deste ano foi de 5.155 TEUs, contra 3.536 TEUs no mesmo intervalo do último exercício.

“No longo curso, o crescimento do Porto Chibatão resultou do trânsito aduaneiro efetuado nos portos do litoral pelos armadores que operam no exterior, mas não vêm até Manaus. Quando chegam em terminais como o de Santos e o do Rio de Janeiro, eles desembarcam a carga para que armadores da navegação de cabotagem tragam os contêineres”, detalhou Rildo Cavalcante de Oliveira.

Operação focada no PIM

Segundo colocado no mercado regional, o TUP Super Terminais também contribuiu para a alta na movimentação de contêineres no Estado, embora em menor escala. O porto, que é focado no abastecimento do PIM (Pólo Industrial de Manaus) com mercadorias provenientes do exterior (navegação de longo curso), contabilizou 3.914 unidades em agosto, acenando assim uma elevação de 4,37% sobre os 3.750 contêineres movimentados no mesmo mês do ano passado.

De acordo com as informações da SNPH, esse desempenho comedido repercutiu a retração nas operações de longo curso do Super Terminais, que significam 64% da movimentação do porto neste ano.

Em agosto, o embarque e desembarque de unidades do exterior caiu 10,68% no comparativo com o oitavo mês de 2006, de 4.819 para 4.304 TEUs, deixando clara a interferência da desvalorização do dólar frente ao real nos negócios da empresa.

Por outro lado, as unidades trazidas por cabotagem saltaram de 1.831 para 2.601 TEUs, em uma oscilação positiva de 42,05%.

Como em agosto e setembro do ano anterior o único cliente de bandeira nacional do Super Terminais operou somente com um navio por mês, a alta verificada em agosto de 2007 é natural, já que o armador voltou a aportar dois navios a cada 30 dias.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email