Covid-19: um salto para o futuro

Ninguém precisa ser expert em informática para saber que um simples reboot – ou reiniciar – é capaz de “ressuscitar” um computador quando ele trava. Mas quando o problema está no disco rígido, os arquivos corrompidos vão ser carregados novamente no momento em que o computador for reinicializado. A saída, então, é apelar para a formatação, apagando tudo e reinstalando o sistema operacional para que ele volte à sua configuração original.
       
Quando o pesadelo da Covid-19 passar, um reboot não vai operar o milagre de salvar economias paralisadas ou recuperar nosso dia a dia pré-coronavírus. Pior que isso. Nem a formatação mais rigorosa dará conta do recado, já que a pandemia deixou claro que a configuração original de nossas relações sociais e de nossos modelos políticos e econômicos também está doente, corrompida. A cura depende da nossa capacidade – e do nosso real desejo – de nos reinventarmos como sociedade e como seres humanos.
       
Sorte é que o medo e o instinto de sobrevivência, diante de um vírus que já infectou mais de um milhão e meio de pessoas mundo afora, têm quebrado nossa resistência a mudanças e renovado nossa determinação para atenuar os impactos da pandemia. Passo a passo, fica menos distante a reinvenção do modo como estruturamos relações de trabalho, de poder, relações pessoais, comerciais e internacionais.
                   
União e solidariedade são dois valores que vêm renascendo com força, em todas as esferas. Sobram exemplos: privilegiados que fazem doações milionárias; vizinhos que se oferecem para ajudar os mais idosos; voluntários que alimentam moradores de rua; empresas que se unem no manifesto #nãodemita ou que garantem doações de equipamentos médicos; esforços multilaterais para encontrar uma vacina; o apoio financeiro oferecido pelo BID e outras instituições internacionais; a dedicação dos profissionais de saúde, que colocam a vida em risco para cuidar dos infectados.
       
Se a Covid-19 inflou nacionalismos aqui e acolá e nos faz questionar prós e contras do mundo como aldeia global, ela também escancarou a importância de estratégias conjuntas para o combate a um inimigo comum. Um país aprende com os erros e acertos dos outros. Aprende com as dúvidas e os avanços da ciência. Essa é uma lição de humildade que precisa ser seguida pelo Brasil, se quisermos minimizar as perdas com a pandemia.
       
Chega a ser desumano alimentar conflitos internos e trocas de farpas políticas enquanto o país se preocupa com a falta de leitos e respiradores mecânicos, contabiliza, dia após dia, o número de mortes e enfrenta, com coragem, o isolamento social. É hora de dar uma trégua nas disputas federativas, nos embates entre os poderes, nas paixões ideológicas, nas diferenças partidárias. Disputas de poder, num momento de tormenta na saúde, não são apenas desrespeitosas. São um tiro no pé para quem teima em focar nas próximas eleições. 
       
Se precisamos nos reinventar do ponto de vista político, apostando no diálogo e no interesse público, também temos que nos reinventar do ponto de vista econômico. A desigualdade social é uma fratura exposta. O liberalismo mostrou seus limites. Recolocar o país nos trilhos, depois desse maremoto, vai exigir bem mais que reformas estruturais. Mais uma vez teremos que unir esforços e deixar divergências de lado para trabalhar juntos – sociedade, Legislativo e governo, em suas três esferas – num profundo plano de reconstrução nacional.

A semente para novas relações de trabalho já está sendo plantada, com a obrigatoriedade do homeworking e a evidência de que trabalhadores informais – quase 40 milhões hoje no país! – são o elo mais frágil do mercado. A renda básica emergencial é outra semente promissora, na busca por maior proteção social aos desfavorecidos. E quem mais duvida, em meio a esse vendaval, da necessidade de apoiar as pequenas empresas e de reforçar os investimentos em saúde, em pesquisa e inovação?

Inovação, aliás, será palavra-chave no mundo pós-pandemia. Empresas e empreendedores que apostarem na inovação não só sobreviverão à crise como sairão fortalecidos depois dela. Também saíremos mais fortes individualmente se formos capazes de renovar hábitos, aprendizados e crenças nesse período. 

Quando tudo isso acabar, não vamos dar um simples reboot para recuperar antigas  e corrompidas configurações. Vamos dar um salto para o futuro.

*Eduardo Braga é Senador pelo MDB/AM

Fonte: Eduardo Braga

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email