Correios afasta diretor investigado em operação da PF

O diretor de operações dos Correios, Carlos Roberto Samartini Dias, foi afastado do cargo por determinação da direção da estatal. Ele está entre as pessoas investigadas pelo Ministério Público e da Polícia Federal no inquérito que levou à deflagração, na quinta-feira, da “Operação Selo”, na qual foram presos dois servidores dos Correios e três empresários.
O gabinete de Dias na estatal e suas residências no Rio e em Brasília estão entre os 25 alvos de mandados de busca e apreensão cumpridos pela PF. Segundo os investigadores, Dias é ligado ao empresário Marco Antônio Bulhões, preso na Operação Selo. Por meio da assessoria de imprensa dos Correios, Dias informou que não irá comentar o assunto.
O presidente dos Correios, Carlos Henrique Custódio, disse estar “perplexo” e “muito chateado com as afirmações de que sai uma quadrilha, entra outra” na estatal. Custódio informou que pediu à Justiça acesso ao inquérito relacionado à Operação Selo para poder tomar providências. “Todas as pessoas que estiverem envolvidas terão a apuração mais rigorosa e justa possível”, afirmou.
A empresa passa por um pente-fino do Ministério Público e da PF desde maio de 2005, quando a revista “Veja” tornou público o conteúdo de uma fita de vídeo em que o ex-chefe de contratação e administração de material dos Correios, Maurício Marinho, foi flagrado ao receber um pagamento de propina de R$ 3.000.
A gravação foi feita por dois emissários do empresário Arthur Wascheck Neto, que teve interesses contrariados por Marinho e resolveu se vingar. Wascheck foi preso na “Operação Selo”. Segundo os investigadores, ele é o cabeça de um esquema montado para fraudar licitações nos Correios.
Apesar do escândalo em 2005, Wascheck não parou de atuar. Ele teria manipulado o resultado de licitações, em prejuízo de “milhões de reais” para os cofres públicos, segundo o procurador da República Bruno Acioli. “Wascheck é o símbolo e o subproduto da impunidade no Brasil. Ele lesa, frauda, chantageia, corrompe e nada acontece”, disse Acioli.
Em defesa de Arthur Wascheck , o advogado Cleber Lopes afirmou que seu cliente sempre atuou dentro dos limites da lei e negou a prática de fraudes.
O empresário atua nos Correios desde 1994. Em 1995, foi condenado por crimes semelhantes aos quais teria praticado recentemente, conforme o procurador.
Segundo dados levantados na investigação, há pelo menos duas dezenas de empresas envolvidas nas fraudes e mais servidores, além dos dois presos, envolvidos na prática de irregularidades.
No escândalo do ano de 2005, os Correios demitiram três servidores, entre os quais Marinho, e afastaram outros 20 de cargos de chefia. O presidente da empresa não soube informar o desdobramento dos processos disciplinares que começaram à época.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email