Coronavírus e mercado financeiro

A chegada da pandemia do Coronavírus ao Brasil movimentou bastante o mercado financeiro. O que fazer agora? Comprar ou vender ações? Nesse artigo eu pretendo lhe mostrar como o Coronavírus pode influenciar na sua decisão de investimentos.

Imagine que você comprou ações no dia anterior ao primeiro caso de Coronavírus no Brasil. Desde então, suas ações caíram por volta de 40%. Então eu lhe pergunto: Agora é hora de comprar ou de vender?

Veja bem, se você analisou suas ações e definiu que elas estavam baratas antes da pandemia, agora elas devem estar 40% mais baratas. Poucas empresas perderam valor significativo no longo prazo por conta disso. É claro que no curto prazo as empresas vão sentir o impacto, mas boas empresas reverterão o prejuízo nos resultados seguintes.

O problema é que para muitas pessoas acompanhar a cotação das ações diz tudo sobre a empresa. E isso não é verdade. As incertezas que acompanham o Coronavírus estão derrubando o preço de ativos no mundo inteiro. Não sabemos precisar por quanto tempo ficaremos em quarentena e qual será o impacto real no lucro das empresas.

O que podemos precisar é que crises como essa acontecem: não são comuns, mas são normais. A história do mundo nos prova que o crescimento humano não é em linha reta. Às vezes, alguns obstáculos são necessários para que possamos progredir com mais força.

É isso que nosso momento atual representa: um obstáculo. E, diferentemente de outras crises, dessa nós temos grande confiança que iremos superar, já que foi causada por uma doença que, mais cedo ou mais tarde, será completamente controlada pela humanidade.

Para entender melhor, o principal risco da crise que vivemos é que, com as medidas de quarentena, as pessoas e as empresas não produzirão. Empresas menores que estiverem endividadas e não possuírem caixa vão falir. E com certeza isso terá impacto no PIB.

Alguns dos setores da economia vão ser rapidamente e fortemente impactados. Destes, podemos citar os setores de aviação, turismo, lazer e petróleo, já que esses setores estão diretamente ligados ao fechamento de fronteiras e medidas de quarentena. 

Outros setores também serão impactados, mas com menos força, como varejo, mineração e siderurgia. Mas existem alguns setores que quase não sofrerão com essa crise, como elétrico, bancário, saneamento e empresas de e-commerce, busque investir nesses setores.

No longo prazo, a bolsa sempre sobe. Mas se você quer passar por momentos de crise sem sofrer com as variações, então você deve diversificar seus investimentos também com fundos imobiliários, que são menos voláteis, e investimentos internacionais, para evitar desvalorizações do real, como estamos vivendo agora.

Se você está sofrendo com o momento que vivemos, talvez isso seja um indicador que você possui mais renda variável do que deveria. E é claro que nesse mercado devemos primeiro nos preocupar em preservar nosso patrimônio, para depois pensarmos em valorizações. E é por isso que devemos sempre diversificar nossos investimentos e o mais importante: ficar atentos aos nossos perfis de investidor.

*‌ Fernando‌ ‌Henrique‌ ‌Magalhães‌ ‌é‌ ‌Analista‌ ‌de‌ ‌Valores‌ ‌Mobiliários‌ ‌–‌ ‌CNPI‌ ‌EM‌ ‌2226,‌ Especialista‌ ‌em‌ ‌Investimentos‌ ‌Anbima‌ ‌e‌ ‌Advogado.‌ ‌Instagram:‌ ‌@Fernandaohm.‌ ‌Email:‌ ‌[email protected]‌ 

Fonte: Fernando Magalhães

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email