É inconteste o caos causado pela pandemia da Covid-19 à humanidade em 2020, ano em que as relações internacionais e o Direito, mais interdependentes do que nunca, tiveram de se adaptar abruptamente à nova realidade originada pelo coronavírus, num momento tão delicado aos negócios internacionais, à defesa do multilateralismo, à salvaguarda da paz e estabilidade mundiais.

lockdown — confinamento dos povos, determinado por líderes em todo o mundo —, repercutiu diretamente na interrupção do fornecimento da cadeia de suprimentos e o resultado foi o questionamento referente ao enquadramento ou não da pandemia como evento de força maior para o não cumprimento de contratos domésticos e internacionais. Esse foi, inclusive, o motivo pelo qual diversas plataformas de negócio e câmaras de comércio internacionais passaram a emitir certificados oficiais (de força maior), de forma a assegurar a um dos contratantes a impossibilidade objetiva do cumprimento da obrigação de fazer.

Diga-se de passagem, a Organização Mundial do Comércio inclusive prevê uma queda de 9,2% no volume do comércio mundial de mercadorias em 2020, seguida de possível aumento de 7,2% em 2021, dada a evolução da pandemia e as respostas dos governos a ela .

Por outro lado, tivemos um avanço substancial na digitalização da economia, como forma de mudança nos negócios. Tanto que, segundo estudo da IBM intitulado “Covid-19 e o futuro dos negócios”, 51% dos executivos brasileiros têm a digitalização como prioridade de investimento nos próximos dois anos.

Esse indispensável processo de inovação e transformação digital da economia, aliado ao home office integral forçadamente implementado pelas empresas brasileiras a partir de março de 2021, impactou gravemente também o volume de tráfego das redes de telecomunicação e, mais uma vez, a China pode ser um enorme parceiro do Brasil na construção da infraestrutura 5G, oferecendo equipamentos às empresas de telecomunicações que participarem do certame brasileiro, previsto para o primeiro semestre de 2021, se atendidos todos os protocolos de segurança cibernética e segurança do Estado brasileiro, além da privacidade dos seus cidadãos.

Como se vê, o mundo está sendo sacudido e as relações internacionais e o direito precisam também se renovar para atender de forma satisfatória o mundo dos negócios. Visão global, pragmática e estratégica são qualidades imprescindíveis para a retomada dos negócios, especialmente nesse momento tão delicado de discussão, análise, reflexão e transformação dos processos, procedimentos e protocolos.

A milenar sabedoria chinesa, transmitida ao longo dos anos pelos ideogramas chineses, já entendia, inclusive, poder se tratar o ideograma do polissêmico  como “crise” ou “oportunidade”. Tudo isso dependerá de como nós enxergamos o copo dos negócios — se metade cheio ou se metade vazio.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email