Consumo interno deve crescer 7,5% ao ano até 2013, projeta Abraciclo

De garupa na retomada dos pedidos do setor varejista, a indústria de duas rodas no Amazonas deu indícios de recuperação em setembro, com o segundo avanço mensal consecutivo na produção, que atingiu 159,07 mil motocicletas. O volume representa 2,81% sobre a produção de agosto (154,71 mil unidades) que já havia avançado 21,53% em relação a julho, encerrado com 127,29 mil motos.
Os dados foram divulgados pelo presidente da Abraciclo (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares), Paulo Takeuchi, que projetou uma produção de 1,65 milhão de unidades para este ano no Amazonas. Apesar do total esperado ficar em 22,05% a menos que o ano passado, quando 2,12 milhões de motocicletas saíram das linhas de produção, o executivo frisou que o potencial de crescimento no consumo do mercado interno para até 2013 é de 7,5% ao ano. “É importante acreditar no crescimento do consumo das classes C e D, que ganharam participação maior no mercado interno. Além disso, as montadoras prometem apostar em maior eficiência, diversidade de modelos, avanços tecnológicos e reconquista da confiança do consumidor para ampliar a produção”, disse.
Takeuchi falou ainda da obrigatoriedade do Promot III (Programa de Controle da Poluição do Ar por Motociclos e Veículos Similares) para todos os modelos produzidos a partir deste ano, o lançamento da moto bicombustível (gasolina e álcool) e a regulamentação das atividades de motofrete e mototáxi sancionada pelo presidente Lula em julho, como fatores que poderão implicar em aumento da frota brasileira. “Até o fim de setembro, as vendas no acumulado do terceiro trimestre já haviam atingido 441.086 motos, contra 404.461 do trimestre anterior. É ou não algo para se comemorar?”, asseverou.

Renúncia fiscal

O presidente da CR Zongshen (a nova Kasinski), Cláudio Rosa Jr., e o coordenador de vendas da Moto Traxx da Amazônia, Roberto Carlos Silva Jr, consideram que a renovação do acordo com o Governo do Estado, que prorrogou a renúncia fiscal de parte do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre a taxa de energia elétrica das fabricantes do segmento é ponto-chave na retomada do fôlego no setor. Ambos afinaram o discurso com o do gerente nacional de vendas da Yamaha, Minoru Matsumura em relação à eventual permanência do incentivo tributário por pelo menos até o primeiro trimestre de 2010. “Em troca da estabilidade de emprego no polo de duas rodas durante o período da crise, o governo do Amazonas abriu mão dessa cobrança. Acontece que a estabilidade nos níveis de produção segue a passos lentos e até o fim do ano é bem possível que essa retomada da tributação possa afetar o desempenho do setor”, finalizou Matsumura.

O repórter viajou a convite da Abraciclo.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email