7 de maio de 2021

Consumidores online devem crescer 25% no Brasil

O número de pessoas comprando pela internet deve crescer 25% no Brasil este ano, aponta um estudo feito pela fintech de pagamentos digitais Ebanx em parceria com a AMI (Americas Market Intelligence), que analisa os dados do setor em toda a América Latina. A estimativa é que mais de 25 milhões de pessoas passaram a ser consumidoras digitais no país.

Segundo a AMI, no geral, o comércio online na região crescerá 8,5%, abaixo do observado em anos anteriores, movimentando cerca de US$ 200 bilhões. Mas os números são considerados positivos em um ano de crise econômica e só ficam atrás dos apresentados pelo sudeste asiático.

A análise é que os números foram impulsionados por um aumento da demanda por serviços virtuais devido ao isolamento, à melhoria do acesso à internet com a penetração de smarthphones, e a um processo de bancarização.

Nesse último aspecto, o relatório destaca o papel de empresas que popularizaram serviços bancários e de pagamentos digitais, o que o documento chama de “revolução das fintechs”, além do auxílio emergencial e programas similares de transferência de renda nos países vizinhos.

No caso brasileiro, o auxílio-emergencial pago pela Caixa Econômica Federal também esteve associado ao processo de bancarização da população.

“O grande case de inclusão financeira no Brasil neste ano é o feito pela Caixa, mas paralelamente a isso temos crescimentos impressionantes do PicPay, Nubank e Inter, fintechs que estão indo onde os serviços tradicionais não atendem”, diz Jaqueline Bartzen, diretora global de Engajamento com Merchants do Ebanx.

Juntas, as três fintechs citadas por Bartzen têm 66 milhões de clientes. Só o PicPay, que oferece uma carteira digital, adquiriu 18 milhões de novas contas durante a pandemia.

Em contrapartida, Bartzen destaca que o crescimento do ecommerce neste ano foi segurado pelas perdas do turismo, que caíram acima de 30%, enquanto o varejo e os produtos digitais tiveram bons desempenho, com crescimentos de 21% e 45%, respectivamente.

“Não tinha como ser diferente em um ano tão atípico. Você acompanha isso nos ciclos da pandemia. Após um baque inicial, há um crescimento dos aparelhos para casa, itens para a estrutura de home office e assinaturas de streaming”, diz Bartzem.

Ela também chama atenção para a atuação de mercados locais. A argentina Mercado Livre e a brasileira Americanas são os principais players de ecommerce na região, segundo dados de tráfego online. OLX, Amazon, Casas Bahia e Magazine Luiza aparecem na sequência.

“Quando olhamos os grandes players, o ponto de localização é relevante. Sites de venda online precisam oferecer, em especial os globais, uma experiência local para crescerem e se consolidarem por aqui, em termos de língua e oferta de pagamentos locais.”

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email