Consumidor de baixa renda está com 30% da renda comprometida até o Natal

A intenção de consumo no segundo trimestre do ano deve ser menor entre a população de classe econômica mais baixa, revela estudo feito pelo Instituto de Pesquisas Fractal, realizado com 700 pessoas na cidade de São Paulo, nos meses de fevereiro e março

A intenção de consumo no segundo trimestre do ano deve ser menor entre a população de classe econômica mais baixa, revela estudo feito pelo Instituto de Pesquisas Fractal, realizado com 700 pessoas na cidade de São Paulo, nos meses de fevereiro e março. A pesquisa aponta que 30% da renda dos entrevistados está comprometida com pagamentos de empréstimos, cujas parcelas mensais se estendem até o Natal de 2010.
Além disso, 11% dos endividados declararam que não será possível pagar suas dívidas, sendo que um terço de seus rendimentos já está empenhado para saldar empréstimos. “Essa situação aponta para um consumo movido a crédito e para uma inflação de demanda nitidamente sustentada pelo estímulo ao endividamento excessivo”, afirmou o diretor-presidente do Instituto de Pesquisas Fractal, Celso Grisi.
O economista ainda declara que a elevação das taxas de juros pode agravar ainda mais esta inadimplência. “Para tentar conter esta situação, ocorre a ampliação dos spreads bancários, o que, por sua vez, pressiona ainda mais a elevação das taxas de juros”, explicou. Para Grisi, a solução é ensinar às famílias de menor poder aquisitivo como estruturar sua saúde financeira, ou seja, abrir possibilidades para mostrar como poupar dinheiro e evitar o endividamento.
Outro aspecto que também influencia este cenário diz respeito ao aumento, nos últimos meses, dos preços dos alimentos. Chuvas, enchentes, baixa remuneração dos produtores agrícolas em períodos anteriores reduziram a oferta e a qualidade dos produtos. Com isso, os preços do arroz, do feijão, das carnes, inclusive a suína, ovos, frutas, e legumes sofreram fortes altas, com impacto direto no bolso dos consumidores.
Os entrevistados afirmaram que costumam gastar cerca de 26% de seus ganhos com esses itens de consumo. Em camadas ainda mais pobres, o percentual chega a até 32%. Esse comportamento explica o uso intensivo de cartões de crédito nos supermercados em todas as classes.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email