Pesquisar
Close this search box.

Consórcios imobiliários em alta 

O objetivo de muitos brasileiros é realizar o sonho de ter a casa própria. Segundo pesquisa divulgada pela plataforma Quinto Andar em conjunto com o Instituto Datafolha, 87% dos entrevistados desejam possuir imóveis. Investir em consórcio para concretizar esse sonho tem se tornado uma alternativa para algumas famílias.

É o que revela o levantamento da Abac (Associação Brasileira de Administradoras de Consórcio). No primeiro trimestre deste ano, foi registrado um crescimento de 20,1% nas vendas de novas cotas pelo consórcio, em comparação com o mesmo período de 2023.

Essa modalidade oferece aos clientes as melhores condições para adquirir um imóvel, seja para construir, reformar ou até mesmo quitar um financiamento habitacional, tornando-se uma alternativa para aqueles que buscam realizar o sonho de adquirir um imóvel. 

Adicionalmente, o Consórcio Nacional Bancorbrás introduziu nos seus grupos de imóveis os “Planos de Meia Parcela”, os quais permitem que o consorciado pague parcelas reduzidas – com descontos de até 50% – até ser contemplado.

A Selic em queda torna os imóveis uma boa opção de investimento em 2024. O Copom reduziu a taxa para 10,75% em sua última reunião em março, projetando que ela chegue a 9% até o final do ano. Nesse cenário, o consórcio se destaca como uma forma segura de adquirir a casa própria, atraindo consumidores. Dados da Abac revelam que a venda de novas cotas de consórcio cresceu 20,1% no primeiro bimestre de 2024 em comparação com o mesmo período de 2023.

No Amazonas, nos dois primeiros meses deste ano a vendas de novas cotas de consórcio de imóveis seguiu em alta. Em razão dessa tendência, o Consórcio Nacional Bancorbrás teve o número de participantes ativos no Amazonas aumentado em 50%, em relação ao mesmo período do ano anterior. “Isso mostra que os amazonenses também acreditam que o consórcio seja uma ótima forma de investimento para adquirir a casa própria e sair do aluguel, e também para reformar, construir ou, ainda, quitar um financiamento habitacional”, destacou o diretor Executivo do Consórcio Nacional Bancorbrás, José Climério Silva Souza. 

Na Bancorbrás, a região Norte tem registrado uma alta expressiva nas vendas e procura por consórcio, não apenas no Amazonas, mas também nos outros estados, como Rondônia e Acre. É uma região que tem muito potencial para crescimento do setor.

Até outubro de 2023, o Sistema de Consórcios alcançou dez milhões de participantes ativos, um recorde histórico, no estado do Amazonas a modalidade vem registrando crescimento. Até setembro passado havia 106,54 mil consorciados, 1,4% maior que os 105,10 mil anotados naquele mesmo mês em 2022.

Com mais de seis décadas de criação, a modalidade vem ampliando sua presença nos vários segmentos da economia, contribuindo para o crescimento de vários setores, e possibilitando a realização de objetivos pessoais e empresariais.

Ascenção 

Com o mercado promissor, o Estado também vem sendo rota de novos investimentos no setor. Dentro de um plano de expansão, a empresa  Ademicon, maior administradora independente de consórcio do Brasil em créditos ativos, abriu  a primeira unidade de negócio em Manaus. A região Norte, que hoje abriga duas lojas da administradora, comercializou entre janeiro e outubro mais de R$ 545 milhões em créditos, um crescimento de 94% em relação ao ano passado.

São 177 unidades em 20 estados e no Distrito Federal que a empresa possui. Em números, foram comercializados R$ 15,3 bilhões em créditos entre janeiro e outubro deste ano, e a expectativa é fechar o ano com R$ 18 bilhões em vendas, o que representará um crescimento de 50% em comparação a 2022. A região Norte tem demonstrado, segundo análise da Ademicon, uma crescente expansão ao longo dos meses.
 

“Manaus tem inquestionável importância econômica para o Amazonas e todo o Norte. O objetivo é contribuirmos para a construção de um futuro financeiro sólido na região, democratizando o acesso ao crédito e impulsionando o crescimento planejado e sustentável”, afirma Tatiana Schuchovsky Reichmann, CEO da Ademicon.

Vantagens

Conforme José Climério Silva Souza, Diretor Executivo do Consórcio Nacional Bancorbrás, o consórcio, que não tem juros, oferece as melhores condições para a aquisição do imóvel, para construir, reformar ou, ainda, poder quitar um financiamento habitacional. Ao optar pela modalidade, o cliente pode escolher diversos valores de carta de crédito, de acordo com o seu poder de compra. Feita a opção, ele irá pagar prestações mensais junto com um grupo de pessoas com o mesmo objetivo, formando assim uma poupança comum destinada à aquisição do bem, por meio de um autofinanciamento.

Segundo ele, além dos planos vantajosos, uma das possibilidades do segmento é a utilização do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para oferecer lances, complementar o valor da carta de crédito e até quitar as parcelas em aberto de cartas já contempladas e faturadas. “Além disso, os clientes também podem usar a restituição do Imposto de Renda nesse mesmo processo. O primeiro lote será pago no final de maio e os consorciados podem ficar atentos às datas”.

Evolução do setor

Tatiana Schuchovsky Reichmann, CEO da Ademicon, traz uma análise de como o segmento se comportou ao longo do último ano. Segundo a CEO, a economia brasileira vive um momento de recuperação nos últimos anos e são muitos os fatores combinados que resultam na mudança dos índices econômicos. Um dos elementos principais desta movimentação do cenário é o acesso ao crédito. Ao considerá-lo como um dos propulsores do poder de compra, é possível destacar o consórcio como um facilitador deste processo.
 

A modalidade tem ganhado fôlego no Brasil ao longo dos anos devido às vantagens que oferece, e em 2023 apresentou números que comprovam seu crescimento. Os resultados referentes ao ano passado, divulgados pela Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (ABAC), apontam para um aumento de 25,6% em créditos comercializados, em comparação a 2022, e totalizam R$ 316,70 bilhões.

Andréia Leite

é repórter do Jornal do Commercio
Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Notícias Recentes

Pesquisar