Concordo 100% com apelo do governador Wilson Lima à ONU

No meu entendimento, o governador Wilson Lima está corretíssimo em apelar à ONU mandando a seguinte mensagem: “…É preciso saber onde estão aquelas pessoas que tanto defendem a floresta. Nesse momento, nós precisamos defender o nosso povo…”. É visível o avanço do vírus para o interior do estado, apesar de todas as cautelas. Dos casos, 40% já estão no interior. Ou seja, o povo que manteve 97% da floresta em pé para a saúde do planeta está vulnerável. Nenhuma estrutura de saúde, de nenhum país, estava ou está preparada para essa Pandemia. É só olhar os tristes números dos Estados Unidos. E no Amazonas, de tantos "maus caminhos" na área de saúde, a situação não poderia ser diferente, foi agravada. Com pouco menos de um ano e meio de governo, colocar o caos da saúde no Amazonas na conta do Wilson e do Carlos é injusto, muito injusto. Mas, como tem dito o próprio governador, agora o momento é de união, de apelar a tudo e todos para ajudar o povo que habita o estado mais preservado do planeta. Os problemas políticos, e de outras ordens, devem ficar para o segundo semestre.

Também não é descente nem merecida a enxurrada de ataques políticos e cibernéticos que o governador Wilson Lima vem sofrendo. Todos os dias seus opositores, expostos ou ocultos – muito mais os ocultos – o torpedeiam factoides, fatos que carecem de checagem ou fake News – essa última em abundância descomunal.

Há mais, a herança recebida por Wilson, não foi nada bendita. O governador precisou adotar medidas austeras, com o propósito de reduzir despesas e minimizar o impacto do déficit orçamentário e as dívidas deixadas dos governos que o antecederam, um rombo de quase R$ 3 bilhões nas contas do estado. Particularmente não sei quantos anos são ou serão necessários para sanear esse dano colossal.

Tenho 57 anos de idade, e deste os 17 anos, ou seja, durante 40 anos, não foi uma, duas ou três vezes que presenciei manchetes na imprensa com escândalos na saúde pública do nosso estado. Ela vem sangrando há bastante tempo, e nem é o momento para entrar em debate, já passou, mas lembrei pois, como já disse, é injusto, muito injusto, colocar o caos da saúde amazonense no colo do governador Wilson Lima que tem apenas 16 meses de governo. Ainda mais enfrentando uma pandemia que pegou de surpresa grandes nações.

Ninguém lembra, por exemplo, que Wilson Lima fez 41 promessas, essas com registros no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e em debates e entrevistas ao longo da sua campanha eleitoral. Ao final do primeiro ano de governo, cumpriu 18 delas, sete outras estão em andamento. Ou seja, ao fim e ao cabo do primeiro ¼ do seu mandato, cumpriu 43,9% de sua dívida com os seus eleitores – se consideradas as que estão em andamento, esse percentual se eleva para 61% – ainda restarão 23 promessas, ou 56,1% do total.

No setor primário, que por razões óbvias acompanho diariamente, os acertos estão sendo expressivos.

A situação é muito grave, principalmente em nosso estado. Temos que manter o foco total no combate ao vírus, deixando para o segundo semestre todos os outros temas, incluindo a política partidária.

*Thomaz Antonio Perez da Silva Meirelles, servidor público federal aposentado, administrador, especialização na gestão da informação ao agronegócio. E-mail: [email protected]

Fonte: Thomaz Meirelles

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email