Comilança: Seu pet pode ganhar mais peso durante quarentena

Quem não abusa do consumo de alimentos, principalmente nesta época de quarentena para fugir da ação do coronavírus? Para aliviar o estresse, a ansiedade, muitos optam pela comilança excessiva, carregando na esteira desses exageros alimentares os nossos amigos peludos mais próximos – cães e gatos.

E quem resiste àqueles olhinhos pedintes quando estamos comendo alguma coisa? E lá vai um pedacinho de comida, um petisco ali, um docinho, uma raspa de pão, muitos sorrateiros etc. Mas cuidado, esse comportamento desequilibrado pode ter uma consequência danosa tanto para nós quanto para nossos amiguinhos – o ganho de peso, predispondo ao aparecimento de doenças como diabetes, obesidade e problemas renais e cardíacos, além de dermatites alérgicas.

Então, nada melhor do que o equilíbrio para prevenir no futuro toda sorte de enfermidades por comidas em exagero. Tanto você quanto seu pet correm risco. Então, dose os excessos – ou melhor ainda, evite-os, se possível.

A própria ciência é enfática em afirmar já faz muito tempo – quem come em demasia, além do necessário para viver, morre mais cedo. Associada a exercícios físicos ou outra qualquer atividade que leve à queima de calorias, mantenha a dieta regular, normal, à qual seu amigo peludo está acostumado a ingerir diariamente.

As idas ao parque, às pracinhas, onde seu bichinho costumava encontrar outros amiguinhos, pode ser substituída por atividades recreativas, lúdicas, dentro de casa, já que neste momento a recomendação é de se proteger ao máximo contra a Covid-19, que continua fazendo milhares de vítimas a cada dia.

Não relaxe. Incentive o seu pet a fazer alguma atividade física em casa, seguida de uma dieta equilibrada, sem excessos. E nada de alimentos que só fazem engordar por excessos de calorias. Eles são extremamente danosos para nossos amigos. 

Claro, como nós, os pets também sentem o impacto direto dos efeitos causados pelo confinamento. Mas não hesite jamais – não deixe que o seu melhor amigo compense na comida o distanciamento das ruas onde você costumava levá-lo frequentemente.

Claro, ninguém gosta de ficar confinado por tanto tempo. Mas neste momento é extremamente necessário em termos de saúde – para nós e para eles também. Não que cães e gatos possam transmitir o coronavírus, mas nossos amigos podem servir eventualmente de transporte do micro-organismo e infectar você ao tocá-los nos pelos, nas patas ou em outras partes do corpo. 

Se você não quer ver seu amiguinho com problemas futuros na saúde, então opte pela alimentação equilibrada e pelo exercício físico diário. Existem mil maneiras para exercitá-lo. As lojas pets têm diversas opções em termos de brinquedos para essas atividades.

Recorrendo à sua criatividade, você pode improvisar muitas brincadeiras em casa que vão entreter o seu pet, evitando gastos e contribuindo ainda para mantê-lo saudável.

POR DENTRO

. Estabeleça uma rotina de atividades para o seu pet

. Só assim eles se manterão saudáveis durante a quarentena

. Os petiscos são os maiores vilões – eles engordam por serem muito calóricos

. Recorra à sua criatividade para criar brincadeiras dentro de casa 

. É preciso incentivá-los a se movimentar para extravasar a energia habitual

. A dieta habitual, sem excessos, previne obesidade, diabetes e protege rins e coração 

. Nada de sair às ruas, mas se mesmo assim for necessário, tome os cuidados básicos

DICA ANIMAL

‘Meus olhos estão pregados’

Quem não viu um gatinho com os olhos completamente fechados, com muita secreção? Pois é, pode ser indício de rinotraqueíte, conhecida popularmente como a gripe dos gatos, que costuma infectar bichanos não vacinados. O problema pode levar à cegueira e a uma morte súbita se não houver uma intervenção médica imediata.

Outros sintomas da doença são febre alta, espirros, coriza, apatia e perda de apetite. O animal fica recluso, amolentado, sem ânimo, não responde aos comandos dos tutores. Então, é melhor correr e buscar ajuda.

O tratamento consiste na administração de antibióticos e anti-inflamatório. Mas é melhor investir na prevenção, vacinando o seu gatinho aos primeiros 60 dias de vida. São três doses da vacina e, a última, previne a raiva, com um reforço anual da antiviral e da antirrábica.

Fonte: Marcelo Peres

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email