Comércio volta a aumentar a expectativa por temporários para fim de ano

O comércio de Manaus estima contratar 4 mil temporários até dezembro deste ano. Somente em novembro, essa previsão deve chegar a 1,8 mil pessoas contratadas  e em dezembro 2,2 mil. A projeção é da CDL Manaus (Câmara de Dirigentes Lojistas de Manaus). 

Embora fosse cogitado que os problemas climáticos poderiam interferir na geração de vagas temporárias no comércio local, o presidente da entidade, Ralph Assayag, demonstra otimismo no cenário sazonal das admissões. A preocupação maior era o problema dos navios que não estavam chegando, mas já voltou a normalidade, já estamos com nove metros de profundidade, os navios que vêm de produtos importados e produtos também para o comércio do resto do Brasil também já estão conseguindo chegar”.

A preocupação, segundo Assayag, era se a carga chegaria ao porto ainda para abastecer as lojas. Mas ele afirma que chegou a tempo. “Eu estou com toda esperança que esse número de contratações possa atingir um quantitativo maior e ultrapasse as vagas de 2022, ou seja, 5 mil vagas, se nós colocarmos que nós temos 36 mil lojas e do percentual do números de estabelecimentos que tem eu espero que pelo menos cada um consiga contratar uma pessoa”, explicou. 

De acordo com o presidente da CDL Manaus, nesse período os segmentos que mais contratam são os de confecções, calçados, supermercados, que atendem diretamente o público. “Se não contratarem, não vão vender, porque o cliente já está querendo que seja atendimento privilegiado, rápido, e com isso ele precisa de fazer contratação. Então, esperamos que chegue esse número. Estamos torcendo e convencendo todos os empresários para fazerem sua contratação. Com isso, aumentam o volume de pessoas para poder receber o seu salário e com isso gastam também diretamente no começo”, disse. 

Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a expectativa é que haja um aumento nas vendas de 5,6% em comparação ao ano anterior.

Para a CNC, essa alta resultará na contratação de 108,5 mil trabalhadores temporários, o maior índice de contratações desde 2013, quando foram abertas 115,5 mil vagas de trabalho.  

Para a Associação Brasileira do Trabalho Temporário (Asserttem), a previsão é que abram cerca de 470 mil novas vagas temporárias neste período de fim de ano, e ainda prevê que o maior aumento no volume de contratações, considerando os últimos três meses do ano, será o setor industrial, com 55% de novas contratações, seguido do setor de serviços, com 30% e o comércio, com 15%.  

“Depois de um pequeno recuo nos números do 3º trimestre, nossa esperança é que essas vagas sejam recuperadas nos meses de outubro, novembro e dezembro”, afirma o presidente da associação, Marcos de Abreu. “Acreditamos que, se o cenário for favorável, as indústrias podem acelerar suas contratações para atender a alta demanda de consumo do período, devido às datas sazonais como Dia das Crianças, Black Friday e Natal”, completa.

Para a diretora da regional Norte da Asserttem, Cilene Herbster, o último trimestre do ano é regido pelas datas sazonais e mais festivas onde mais se contrata temporários, são: Dia das Crianças, Black Friday e Natal.

As indústrias já começam a receber maior volume de pedidos, e em consequência, o comércio também precisa reforçar seu time, para dar vazão à esta produção. “A indústria continua a abrir mais vagas, representando 60% delas, seguido pelo setor de serviços, com 30%, e o comércio, com 10%. Isso com base na estimativa da Asserttem”. 

Favorável 

Luandre, uma das maiores consultorias de RH do país, a expectativa para o último trimestre é de um crescimento ainda maior na oferta de vagas temporárias, em razão das vendas em datas tradicionais do varejo, como Dia das Crianças e Black Friday, e sobretudo pelo Natal, tradicionalmente a melhor ocasião para o comércio brasileiro.

“As contratações já se iniciam no mês de outubro, visando a alta demanda. Algumas vagas, inclusive, não precisam de experiência, já que o treinamento é realizado antes, o que aumenta as chances de o candidato encerrar 2023 empregado”, diz Debora Herdeiro, gerente de operações da Luandre.

Andréia Leite

é repórter do Jornal do Commercio
Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário