Comércio tem dia contra carga tributária

Em Manaus, o DLI (Dia da Liberdade de Impostos) além de chamar a atenção do consumidor sobre a alta carga tributária aplicada nos produtos e mercadorias em todo o país, decidiu inovar e levar a ação para dentro de um shopping da cidade. Nesta edição a CDL Jovem de Manaus (Câmara de Dirigentes Lojistas) em parceria com o Manauara Shopping conseguiu reunir uma multidão interessada em saber mais sobre como os impostos incidem sobre os produtos consumidos no dia a dia. E neste momento de crise econômica poder reconhecer importância de uma reforma tributária eficiente e justa. Das 234 lojas em operação no empreendimento, cerca de 70 lojas participaram do DLI, na capital amazonense.
De acordo com o coordenador da CDL Jovem de Manaus, Erick Bandeira de Melo, a ideia de realizar o evento num shopping da cidade foi com o intuito de democratizar a ação para que a população tenha a real noção do valor da mercadoria sem imposto. “O DLI no shopping foi uma inovação para nós, algo que até no Brasil é difícil de se ver. Existem muitas lojas fazendo cálculos de quanto seria esse imposto, mas não comercializando. Já é muito comum fazer com combustível, que atrai muita atenção do consumidor”, observou.
Segundo Melo, a população está mais familiarizada com descontos e liquidações, diferentemente, do produto livre de impostos. “Isso não é uma promoção. Aquele preço que o consumidor está pagando naquele momento sem o imposto, ele poderia perdurar pelo ano todo ou sempre se não tivesse essa carga tributária tão alta. Se a carga tributária fosse menor, reduzida ou zerada nós teríamos promoções o ano todo”, esclareceu.
A cerveja está entre os produtos e mercadorias que só de imposto chega a dobrar de preço. Sem falar nos itens de consumo comum que chegam a ser bitributados e outros com impostos calculados em efeito cascata, como é o caso dos itens de vestuário. “O exemplo que vai deixar as pessoas insatisfeitas é a cerveja. Porque o ICMS da cerveja é muito alto e a cadeia produtiva-comercial acaba agregando mais impostos, chegando a 55% do valor original”, destacou o jovem Erick Melo.
A gerente de Marketing do Manauara Shopping, Maria Ferreira, explica que esta ação pioneira em shopping, além de ser uma oportunidade de parceria com a CDL Jovem, também é uma forma de conscientização do consumidor. “A proposta é essa. Talvez muitos clientes estejam aqui pensando no desconto, mas na verdade, a proposta toda é de conscientização para que a gente saiba, realmente, o quanto de impostos é pago e o quanto a gente poderia batalhar para não ter esses impostos e ter mais dinheiro no nosso bolso”, frisou.
Para Maria Ferreira o objetivo dessa ação é conscientizar a população em geral, de quê muitas vezes o preço de uma mercadoria ou de um produto não é justo devido à alta carga tributária que o empresariado tem que pagar. “O preço de um produto poderia ser muito menor se a carga tributária não fosse tão grande assim. A gente abraçou esta ideia, por entender que o shopping é lugar bastante democrático e que, com certeza nós estamos plantando uma sementinha para que todo mundo possa se preocupar um pouco mais e quem sabe em breve a gente ter realmente uma reforma tributária justa, que o país precisa”, salientou.
O vice coordenador da CDL Jovem de Manaus, Luiz Eduardo Leal, ratifica que o neste ano o brasileiro trabalhará 154 dias somente para pagar impostos. Em relação a 2015, o número representará um aumento do tempo necessário para arcar com os tributos. “Este é um evento, totalmente, simbólico que mostra que o brasileiro, que os lojistas, que a população está cansada de pagar imposto. São 154 dias, com efeito de comparação o Dia de Liberdade de Impostos, o ano passado, caiu no dia 21 de maio. Mais de 10 dias acrescidos em um ano, mais impostos que a gente está pagando e não conseguimos ver isso revertido em transporte público, educação saúde e segurança”, disse.
Segundo Leal o evento superou as expectativas logo na abertura do shopping, quando uma multidão de consumidores, aguardavam organizados em fila para conferir os preços livres de impostos. “O preço está muito bom. As portas abriram às 10 horas da manhã com muita gente. Nas duas entradas, Paraíba e Recife, enfim a expectativa é que a conscientização atinja mais pessoas do que nos últimos anos”, comemorou.

Saiba mais

3 No ano passado, o brasileiro trabalhou até o dia 31 de maio para pagar os impostos.
3 Já agora, em 2016, serão dois dias a mais, é como se o trabalhador brasileiro trabalhasse até o dia 2 de junho somente com essa finalidade.
3 O Brasil é o sétimo país com a maior carga tributária.
3 Porém, comparando os serviços fornecidos pelo governo com os dos demais, os brasileiros são os que têm o pior custo benefício, tendo como base o percentual de arrecadação e a qualidade dos serviços públicos fornecidos.
3 Segundo o IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação), em 2003, o contribuinte brasileiro teve que destinar em média 36,98% do seu rendimento bruto para pagar tributos, por exemplo.
3 Em 2015, o percentual já havia passado para 41,37%.
3 Levantamentos mostram que nos primeiros três anos, aproximadamente 50% das empresas fecharam suas portas no Brasil.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email