Comércio eletrônico será menos impactado por coronavírus no curto prazo

As empresas de varejo que também atuam no comércio eletrônico serão menos impactadas no curto prazo, com a crise do coronavírus, aponta relatório do BTG Pactual.

Segundo o banco, o agravamento da crise do coronavírus vai diminuir o número de pessoas em lojas físicas e quem possui um braço online sofrerá menos.

Segundo o Valor Investe, além da presença online, o relatório do banco aponta Magazine Luíza e B2W como empresas que também terão suporte dos aumentos de capital realizados no ano passado, além da migração dos consumidores para compras online à medida que eles fiquem em casa durante a quarentena nas próximas semanas.

Exposição compensada

“A exposição indireta da Lojas Americanas à B2W deve ser compensada, o que, juntamente com uma ampla variedade de produtos nas lojas físicas, provavelmente compensará parcialmente um possível declínio no tráfego”, aponta o relatório.

As ações da Lojas Americanas também são negociadas em um nível muito mais baixo, mesmo para um cenário de estresse.

“Para o ano, além de nomes de comércio eletrônico e Lojas Americanas, preferimos empresas de qualidade como Renner e Arezzo, que sem dúvida devem enfrentar dificuldades no curto prazo, devido a uma queda acentuada no tráfego de lojas, mas cujos fundamentos e vantagens competitivas, ainda os tornam melhores do que os concorrentes”, diz.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email