7 de maio de 2021

Comércio e serviços puxam empregos no Amazonas em outubro

Puxado pelos setores de serviços e comércio, o Amazonas registrou seu quarto saldo positivo seguido em empregos com carteira assinada, em outubro. A expansão foi de 1,37%, graças à criação de 5.669 postos de trabalho, um desempenho próximo ao registrado no mês anterior (+1,39% e +5.693 vagas). No total, 16.013 trabalhadores foram admitidos, superando em boa margem o número de desligamentos (10.344). Praticamente todas as vagas (5.569) vieram de Manaus, que teve expansão de 1,47%, no mesmo período. 

Foi o terceiro melhor número apresentado pelo Estado neste ano, perdendo apenas para os registros de setembro e agosto, mas superando em muito a performance pré-pandemia apresentada em janeiro (+0,18% e 738 postos de trabalho) e fevereiro (+0,37% e 1.516). Pela quarta vez no ano, o Amazonas superou a média nacional (+1,03%) no incremento mensal de saldo de vagas celetistas e, pela terceira, fez o mesmo em relação ao número relativo contabilizado pela região Norte (+1,14%). 

O desempenho mensal do Amazonas conseguiu também empurrar para frente o saldo acumulado de postos de trabalho formais, pelo segundo mês seguido, desde o começo da pandemia. De janeiro a outubro, o Estado avançou 1,47% na criação de vagas (+6.076), graças ao predomínio do número de empregos criados (126.464) em detrimento dos eliminados (120.388). Com isso, o estoque registrado no mês passado foi de 421.451 ocupações. Os dados foram extraídos da mais recente edição do “Novo Caged”, divulgado pelo Ministério da Economia, nesta quinta (26).

Serviços e comércio 

O levantamento não inclui variações anual e acumulada para as atividades econômicas nos Estados. Quatro dos cinco setores econômicos listados tiveram elevações mensais. O maior saldo de vagas veio novamente dos serviços (+2.097 empregos), que apresentaram sua terceira alta mensal seguida, desde a eclosão da pandemia no Amazonas – embora o saldo tenha vindo menos forte do que o de setembro (+2.682). 

A maior parte das vagas com carteira assinada geradas no setor de serviços do Amazonas veio novamente das atividades administrativas e serviços complementares (+1.502), seguido de longe por alojamento e alimentação (+307) e transporte, armazenagem e correio (+140), e atividades profissionais, científicas e técnicas (+131). Um subsetor pontuou estabilidade (administração pública, defesa e seguridade social) e outros três recuaram, sendo puxados por “outras atividades de serviços” (-153).

O setor de comércio e reparação de veículos (+1.745 postos de trabalho) veio na segunda posição, com saldo reforçado em relação a setembro (1.156) e agosto (1.031). A indústria em geral (+1.047 empregos) ficou em terceiro lugar, sendo carreada pela indústria de transformação (+955), e seguida de longe pelos segmentos de águas, esgoto, gestão de resíduos e descontaminação (+69) e de eletricidade e gás (+23). A indústria extrativa, por sua vez, pontuou nova estabilidade.

Na sequência, veio o setor de construção (+124) – com um salto significativo em relação a setembro (+124) e agosto (+695). Em último lugar no ranking dos setores econômicos do Amazonas, a atividade agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (-1) foi a única que extinguiu postos de trabalho – após os tímidos crescimentos de setembro (+26) e agosto (+16).

“Curva ascendente”

O presidente do Cieam (Centro da Indústria do Estado do Amazonas), Wilson Périco, considerou que, a despeito da regressão dos saldos positivos mês a mês, o setor continua avançando na geração de empregos em “curva ascendente”. O dirigente ressaltou que a dinâmica dos números se dá pela acomodação da capacidade produtiva das empresas, que deve apontar para uma estabilização nos próximos meses, já que a demanda de final de ano já está sendo cumprida. Mas, expressou dúvidas quanto a 2021.

“Não devemos ter crescimento entre outubro e novembro, e na passagem de novembro para dezembro. Esse aumento nas contratações já era esperado, por conta do atendimento da indústria à demanda de final de ano, no atacado. E o número de empregos temporários e efetivos foi mantido. Agora, é torcer para isso se manter também, no ano que vem. Há algumas variáveis, como o auxílio emergencial, que foi reduzido e deve terminar, em dezembro. Aí, como é que fica o comércio a partir daí? Mas, vamos aguardar. Tenho otimismo que a coisa vai caminhar em ritmo bom, se Deus quiser”, ponderou. 

Sazonalidade e empreitadas

Já o presidente em exercício da Fecomércio-AM (Federação do Comércio de Bens e Serviços do Estado do Amazonas), Aderson Frota, lembra que o varejo costuma ampliar seus quadros em outubro, com a contratação de temporários e efetivos para atender a demanda extra das festas de fim de ano. Já os serviços do Amazonas, conforme o dirigente, teriam se beneficiado menos da sazonalidade e mais do crescimento de outros setores.

“O comércio vem de uma crescente desde o Dia das Crianças passando pela Black Friday – que demandará todo o cuidado das empresas para atender às recomendações do governo – e culminando no Natal e no Ano Novo. O setor está vendendo bem, apesar das dificuldades geradas pela pandemia e pelo desabastecimento. Já o setor de serviços foi impactado pelo aquecimento da construção civil, que demandou mais nas empreiteiras, gerando mais contratações de serviços complementares”, finalizou. 

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email