Com evangélicas, Dilma ora por ‘momento’ do país

A presidente Dilma Rousseff recebeu hoje um grupo de 16 líderes evangélicas e, segundo presentes na reunião, orou junto com as religiosas pelo “momento delicado” pelo qual o país passa.
A audiência faz parte da estratégia do governo para dar uma resposta às manifestações que tomam conta das ruas em vários Estados.
Há pouco mais de 15 dias, pelo Twitter, o deputado Pastor Marco Feliciano mandou uma mensagem para o pastor Silas Malafaia sobre uma reunião da presidente com ativistas LGBT. “Somos ou não somos invisíveis?”, questionou. Ainda pela rede social Malafaia subiu o tom da reclamação e disse que Dilma tem recebido até “vadias”, mas esqueceu dos evangélicos.
Estavam presentes na reunião a cantora gospel Damares Oliveira e outras líderes evangélicas conhecidas, como a bispa Sônia Hernandes, da Igreja Renascer, e a cantora Mara Maravilha. Mara relatou ter cantado para a presidente, entre várias orações, a música “Sabor de mel”, do álbum “Apocalipse”.
“Foi um convite da presidente Dilma à bispa Sônia Hernandes, muito respeitada e conceituada no nosso Brasil, e aí ela convidou algumas mulheres que têm feito a diferença, que têm feito um trabalho por esse Brasil, que tem um reconhecimento das pessoas”, disse Damares após o encontro. “Foi uma festa bonita ali dentro. Ela nos recebeu com muita humildade, simplicidade, carinho. Ela se emocionou algumas vezes, a gente chorou juntas. Foi muito positivo”, disse.
“Deus está restaurando a saúde dela, porque é um momento de muita pressão. O Brasil está vivendo um momento muito delicado, e nós viemos aqui representando a igreja evangélica no Brasil e apoiando-a no que ela precisar. A gente não veio pedir nada. A gente veio apoiar, nesse momento de tantas manifestações, porque a gente sabe que é uma carga muito pesada o que ela está levando.”
Segundo o ministro Marcelo Crivella (Pesca e Aquicultura), também presente na reunião, Dilma atendeu a um pedido de audiência feito pelas próprias líderes. Questionado se compareceu à reunião como pastor, e não como ministro, disse que discutiu uma agenda sobre Plano Safra com Dilma.
“Mas vim também como um articulador da presidente Dilma junto ao público com o qual eu convivo desde que tinha seis anos de idade”, disse o ministro.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email