Colômbia e Equador avançam rumo à retomada de relações

Os ministros das Relações Exteriores da Colômbia, Jaime Bermúdez, e do Equador, Fander Falconi, decidiram na sexta-feira, em encontro em uma cidade na fronteira entre os dois países, nomear nos próximos dias os respectivos encarregados de negócios, em mais um passo para a normalização das relações diplomáticas bilaterais estão rompidas desde um bombardeio colombiano em solo do Equador no ano passado.
Os chanceleres ativaram também as três primeiras comissões de trabalho previstas dentro do plano de restabelecimento de suas relações diplomáticas, pactuado há duas semanas em Nova York.
O início dos comitês foi anunciado pelo ministro colombiano, durante uma entrevista coletiva conjunta com o colega equatoriano e outros altos cargos de ambos os países. As comissões ou mesas de trabalho sobre segurança e criminalidade, de desenvolvimento fronteiriço e de assuntos sensíveis, “ficam instaladas e entram em operação”, disse Bermúdez, em Ipiales, cidade na fronteira sul da Colômbia com o Equador.
Além de Bermúdez e Falconi, a reunião contou com a participação dos ministros da Defesa da Colômbia, Gabriel Silva, e do Equador, Javier Ponce do secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, o chileno José Miguel Insulza, e da representante do Centro Carter Jennifer McCoy. O chanceler colombiano destacou que as delegações de Bogotá e Quito acordaram que a OEA e o Centro Carter assumam um papel de facilitadores na mesa ou na comissão de assuntos sensíveis.
O comitê será o responsável por tramitar questões como a presença guerrilheira na fronteira comum, motivo da crise bilateral, que explodiu no dia 1º de março de 2008, após o bombardeio do Exército colombiano a uma base das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) no norte do Equador.
Na ação, cuja responsabilidade foi assumida pelo presidente colombiano, Álvaro Uribe, morreram o número dois e porta-voz internacional das Farc, conhecido como Raúl Reyes, e outras 25 pessoas. Dois dias depois, o presidente equatoriano, Rafael Correa, rompeu relações com o país vizinho, ao qual acusou de agressão e violação da soberania nacional.
Bermúdez e Falconí marcaram outro encontro para o dia 3 de novembro e decidiram reativar em uma semana a chamada Comissão Binacional de Fronteira, responsável por assuntos comuns de segurança e de cooperação fronteiriça. Dezenas de comerciantes e funcionários de transportadoras dos dois países protestaram na ponte internacional de Rumichaca, que liga Ipiales, no lado colombiano, com a equatoriana Tulcán, contra a crise na atividade comercial por efeito da ruptura das relações e do controle na passagem.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email