CMM presta homenagem ao jurista e desportista Francisco Horta

O desembargador e desportista Francisco Luiz Cavalcanti Cunha Horta foi homenageado pela Câmara Municipal de Manaus (CMM), nesta sexta-feira (14), com a entrega da Medalha de Ouro Cidade de Manaus

O desembargador e desportista Francisco Luiz Cavalcanti Cunha Horta foi homenageado pela Câmara Municipal de Manaus (CMM), nesta sexta-feira (14), com a entrega da Medalha de Ouro Cidade de Manaus, que é concedida a todo cidadão brasileiro que tenha prestado serviços relevantes por mais de 10 anos à Manaus.
Aos 79 anos, o carioca Francisco Horta coleciona feitos e cargos durante sua carreira, entre eles, o de presidente do Fluminense Futebol Clube, de 1975 a 1977. Horta revolucionou o futebol carioca, com a montagem de um grande time de futebol e criou uma maneira de reforçar os times cariocas, com a troca de jogadores. Hoje, exerce os cargos de 2° vice-presidente da Associação Comercial do Rio de Janeiro e presidente do Conselho Empresarial de Segurança Pública, Ética e Cidadania (ACRJ).
O evento foi realizado no Plenário Adriano Jorge da Câmara e proposto pelos vereadores Dr. Gomes e Dr. Isaac Tayah, ambos do PSD, por meio do decreto legislativo n°243/2012. Eles justificaram a homenagem pelos relevantes trabalhos já desenvolvidos para o Brasil como jurista, parlamentar e desportista. “Manaus presta essa homenagem porque ele tem sido um elo para os atletas que tem procurado projeção nos grandes clubes e também pelo seu prestígio e respeito que foi peça importantíssima para que Manaus fosse uma das sedes da copa de 2014, justificou Dr. Gomes. Segundo ele, a homenagem tem triplo significado, pois o cidadão Francisco Horta foi parlamentar, advogado e desportista, sendo o maior presidente de clubes da sua história. “Ele deixou sua marca no futebol arte, e na história do fluminense quando há quatro décadas criou a máquina tricolor e fortaleceu também os demais clubes, promovendo o troca-troca, fato inédito até hoje na história, lembrou.

Reconhecimento e merecimento

Para Isaac Tayah, co-autor da homenagem, o reconhecimento ao desembargador Francisco Horta merece ser feito de Norte a Sul do país. “São duas pessoas que marcaram nossa história, ele e o senador Bernardo Cabral que me apresentou o desembargador Horta. Nós tinhamos que reconhecer o trabalho feito, já que em Manaus temos esse meio de homenagear pessoas de outros Estados. Ele contribuiu para a história jurídica e também foi grande orador na história desse país e temos que reconhecer isso em vida e trazer pessoas ilustres para nosso Estado e município”, disse.
O ex-senador Bernardo Cabral também não economizou elogios ao citar o trabalho de Francisco Horta. “Essa é uma Medalha de Ouro do poder mais autêntico que existe. É aqui que ecoam todas as vozes do povo. Este Poder legislativo não lhe deu apenas uma bela medalha de ouro, ele deu um beijo no coração dado por todos os amazonenses”, concluiu.
A entrega da medalha foi repassada ao som do hino do Fluminense, tocado ao som de flauta, que abriu a solenidade e o discurso do homenageado.

O homenageado

Francisco Horta agradeceu aos autores da homenagem pela emoção em receber a outorga e retribuiu os elogios feitos pelo ex-senador Bernardo Cabral e por todos os demais presentes. “Não é todo dia, nem todo ano que se recebe uma medalha de ouro. Hoje posso dizer com a boca cheia que sou manauense. Estou muito agradecido aos vereadores”. “Considero-me enriquecido com essa homenagem. Estou muito agradecido aos dois vereadores que tiveram a iniciativa e espero que isso seja algo eterno, porque quero que meus netos vejam que o avô cumpriu a sua missão, que é ser do bem, cumprindo a ética, o direito e fazendo o bem a terceiros”, destacou ao agradecer a presença do general do Exército Brasileiro, Adriano Pereira, e do ex-senador Bernardo Cabral.
O homenageado citou também a importância de ter Manaus como uma das cidades-sede da Copa do Mundo. “Fiquei muito feliz ao saber que Manaus era uma das sedes. Foi uma luta para que Manaus fosse sede, porque tinha a possibilidade não ser, sob argumento que Belém tinha um estádio e futebol mais desenvolvido. Manaus merece esse posto sob o argumento da cidade ser uma das riquezas do Brasil e ter esses milhares de quilômetros quadrados da Amazônia Legal”, disse.

Homenagem estendida

A homenagem se entendeu ao ex-senador, Bernardo Cabral, lembrado pelos vereadores presentes por seus feitos pelo Amazonas. O vereador Elias Emanuel (PSB) lembrou alguns dos principais projetos e trabalho propostos pelo ex-senador, que mudaram a história do Estado e do país. “O senador Bernardo Cabral, que foi relator da Constituição Cidadã de 1988, proclamada por Ulisses Guimarães, merece também nosso reconhecimento”.
O vereador ressaltou que a maior das vitórias na Constituição foi a inclusão do projeto da Zona Franca de Manaus (ZFM) na peça Constitucional do país. “Hoje não estaríamos falando que Dilma Rousseff deu prorrogação de 50 anos à ZFM, se lá nas prévias da Constituição, o então deputado federal Bernardo Cabral não tivesse colocado esse Projeto. Essa é uma dívida que nunca haveremos de pagar”. Walfran Torres (PTC) também elogiou o jurista Francisco Horta e o ex-senador Bernardo Cabral.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email