Clima ajuda safra de arroz a crescer em tempos de crise, aponta estudo da Conab

Impulsionados pela combinação de temperatura, chuvas e água para irrigação na dose certa, produtores de arroz devem escapar dos efeitos da crise financeira e ter uma colheita maior que a anterior. É o que aponta o Boletim Agroclimático publicado na última quinta-feira, 19, pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento).
O clima vai ajudar o país a aumentar a produção nacional do cereal em cerca de 500 mil toneladas e atingir a marca de 12,52 milhões de toneladas.
O estudo traz previsões para os meses de março, abril e maio, período em que mais de 95% da produção nacional estará na fase de colheita. Segundo o gerente de Geotecnologias da estatal, Társis Piffer, a probabilidade das chuvas ocorrerem abaixo da média histórica no Sul e acima da média no Norte/Nordeste pode ajudar o Brasil a ter uma colheita de mais qualidade em função da fase do desenvolvimento da cultura nessas regiões. “Até o momento, o arroz é a cultura mais favorecida pelo clima nesta safra”, explicou.
No Rio Grande do Sul, o clima seco deve beneficiar a fase de maturação e colheita do arroz. Numa escala de impactos que varia de –3 a +3, a estatal atribui nota máxima ao estado. No Mato Grosso, as chuvas ficam dentro da média, sem causar impactos nas lavouras. Já no Maranhão, Pará e Roraima as precipitações vão ajudar na fase de floração e enchimento de grãos.
O estudo também apresenta prognósticos para culturas como milho, feijão, amendoim, café e cana-de-açúcar. Também foram bem avaliados pela estatal o amendoim 1ª safra em todo o país e feijão 2ª safra no Ceará, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte. O destaque negativo fica por conta do feijão 1ª safra no Piauí e do feijão 2ª safra e mandioca no Pará.
Para calcular índices de impacto do clima nas principais culturas, a estatal fez um cruzamento das informações que apurou em suas pesquisas de safras com previsões do CPTEC (Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos) e do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia).

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email