11 de agosto de 2022
Prancheta 2@3x (1)

Chineses apostam em medicina milenar contra a gripe suína

https://www.jcam.com.br/ppart08052009.jpg
A medicina tradicional chinesa trataria a gripe suína com ervas e o procedimento seria mais eficaz nos estágios iniciais da doença porque é preventivo, explicou Sha Dahai, chefe do Departamento Interno do Hospital de Medicina Tradicional Chinesa

A medicina tradicional chinesa trataria a gripe suína com ervas e o procedimento seria mais eficaz nos estágios iniciais da doença porque é preventivo, explicou Sha Dahai, chefe do Departamento Interno do Hospital de Medicina Tradicional Chinesa do distrito de Chaoyang, em Pequim.
Apesar do nome, a gripe suína não apresenta risco de infecção por ingestão de carne de porco e derivados. O especialista explicou que se chegar a ocorrer algum caso de cidadão chinês infectado com gripe suína, “forneceremos ervas medicinais considerando a estação do ano na qual estivermos, as caracte­rísticas do paciente, o entorno e o processo da doença”.
No caso de a gripe se encontrar em um estágio muito avançado, o especialista não descarta usar a medicina ocidental, mas “sempre será utilizada de forma complementar, como aconteceu com a Síndrome Respiratória Aguda Severa” (Sars, em inglês).
Esta doença pulmonar atípica, desenvolvida em 2003, deixou 800 mortos no mundo todo. Sha disse que a medicina tradicional chinesa é mais eficaz “quando se encontra na primeira fase da doença”, já que é, acima de tudo, “preventiva”.
“A gripe suína ou H1N1, nome concedido pela medicina moderna, se detecta na medicina chinesa em sua primeira fase, chamada “wei”, relacionada com a temperatura corporal. É a mais superficial das fases pelas quais atravessa o corpo”, explicou.
Para o procedimento chinês, o principal objetivo é tentar manter “a saúde através de ervas como a Jinyinhua (madressilva), Balangen (raiz de anil) ou ­Yinqiao” (Forsythia suspensa), todos medicamentos comuns.
A medicina tradicional, uma das heranças mais valiosas da milenar cultura chinesa, tem como característica principal o fato de tratar a origem das doenças, e não só os sintomas, se baseando na relação pessoal, da natureza e da sociedade.
Ao contrário dos métodos modernos, que utilizam um único remédio que ataca diretamente o vírus, “para nós a mesma doença tem diferentes tratamentos”, disse Sha. Por sua vez, Vivian Tan, porta-voz da Organização Mundial da Saúde (OMS), explicou à Efe que, apesar de a medicina chinesa ter ajudado, no passado, a combater certas doenças, ainda é muito cedo para saber se poderia contribuir no caso da gripe suína.
A organização, que criticou no ano passado a inclusão da medicina chinesa nos planos nacionais de saúde, já que a falta de regulamentação ou má utilização deste tipo de remédios pode ter efeitos nocivos ou perigosos, assegura que, na China, durante a Sars, mais da metade dos pacientes foram tratados desta forma.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email