China derruba Bovespa e eleva dólar

Bolsa registrou a maior desvalorização em oito meses e voltou ao patamar de 2009

Em uma “Segunda Negra” para os mercados mundiais, a Bolsa brasileira registrou a maior desvalorização diária em oito meses e voltou ao patamar em que se encontrava em 2009. O dólar acompanhou o aumento da aversão ao risco no exterior e a busca por ativos mais seguros e fechou com a maior cotação desde março de 2003.
O Ibovespa, principal índice do mercado brasileiro, caiu 3,03%, para 44.336 pontos. Foi a maior queda diária desde 12 de dezembro do ano passado. No início dos negócios, o índice chegou a cair 6,5%, mas moderou a queda ao longo da sessão. Com a desvalorização desta segunda, a Bolsa voltou a patamar de abril de 2009 -quando ensaiava uma recuperação dos efeitos da crise econômica mundial.
O dólar subiu mais de 1% nesta sessão. O dólar à vista, referência no mercado financeiro, fechou em alta de 1,23%, para R$ 3,540, no maior nível desde 5 de março de 2003, quando fechou a R$ 3,555.
O dólar comercial, usado em transações no comércio exterior, teve alta de 1,63%, para R$ 3,552, a maior cotação de fechamento também desde 5 de março de 2003. Corrigidas, ambas as cotações equivaleriam a R$ 5,53. Na máxima, o dólar atingiu R$ 3,58 nesta segunda.
Os mercados mundiais vivenciaram um dia de pânico gerado pelas dúvidas sobre o crescimento da economia chinesa. Na sexta-feira (21), o índice Caixin dos executivos de compras -que acompanha a atividade do setor industrial- caiu à sua marca mais baixa desde o começo de 2009, o momento de pico da crise financeira mundial. Os analistas vinham esperando sinais de melhora.
Os investidores esperavam que, diante de dados econômicos fracos no gigante asiático, o governo lançasse medidas amplas de estímulo neste final de semana, o que acabou não acontecendo.
Para tentar injetar liquidez na Bolsa, o governo chinês autorizou os fundos de pensão administrados por governos locais a investirem no mercado acionário. A decisão, inédita, buscava canalizar potencialmente centenas de bilhões de yans para o mercado acionário chinês.
A medida não segurou a queda das Bolsas chinesas. A Bolsa de Xangai fechou o dia com forte queda de 8,49%, para 3.209 pontos. A Bolsa de Shenzhen, a segunda maior da China, registrou queda de 7,70%, a 1.882 pontos.
“O governo tem buscado conter a queda dos mercados, mas perdeu a mão. Os incentivos que concedeu anteriormente para ajudar na formação de uma classe média consumidora e que pudesse investir em Bolsa estão sendo revertidos pela perspectiva de uma desaceleração mais forte da economia”, avalia Raphael Figueredo, analista da Clear Corretora.
Agora, a expectativa dos investidores é que, após a queda generalizada desta segunda-feira, o governo chinês decida promover uma nova rodada de estímulos econômicos no país. Alternativa que, na visão de André Perfeito, economista-chefe da Gradual Investimentos, não vai se concretizar.
“A China vive uma bolha no mercado acionário. O governo está achando bom desinchar a Bolsa, pensando no longo prazo”, avalia. Entre 12 de junho de 2014 e a mesma data deste ano -quando atingiu seu pico em sete anos-, o índice composto de Xangai teve valorização de 151%. Desde então, acumula queda de quase 38%.

Pânico
A preocupação com a China fez as Bolsas europeias desabarem nesta segunda. O principal índice europeu de ações despencou nesta segunda-feira após os mercados chineses desabarem, reduzindo em bilhões de euros seu valor de mercado e atingindo a mínima em sete meses. O índice FTSEurofirst 300 fechou com queda de 5,44%, para 1.349 pontos, e perdeu cerca de 450 bilhões de euros (US$ 521,42 bilhões) em valor de mercado -pior performance de fechamento desde novembro de 2008.
Em Londres, o índice FTSE-100 recuou 4,67%, para 5.898 pontos. Em Frankfurt, o índice DAX caiu 4,70%, para 96.648 pontos. Em Paris, o índice CAC-40 perdeu 5,35%, a 4.383 pontos.
Em Milão, o índice FTSE-MIB teve desvalorização de 5,96%, para 20.450 pontos. Em Madri, o índice Ibex-35 registrou baixa de 5,01%, a 97.756 pontos. Em Lisboa, o índice PSI-20 se desvalorizou 5,80%, para 4.981 pontos.
Nos Estados Unidos, os principais indicadores também caíram, após registrarem a pior semana em quatro anos devido a preocupações envolvendo a China.
O índice Dow Jones teve queda de 3,57%, enquanto o S&P registrou desvalorização de 3,94% e o índice da Bolsa Nasdaq cedeu 3,82%.
A queda no preço das commodities causada por uma menor demanda da China -grande importador de matérias-primas -ameaça provocar uma pressão deflacionária na economia americana, em um momento em que o Federal Reserve (Fed, banco central americano) discute o aumento dos juros no país.
“O cenário de grande incerteza pode levar o Fed a adiar para o próximo ano a alta dos juros. O movimento deflacionário é um fator de risco que o banco central americano vai discutir e avaliar seu impacto na perspectiva inflacionária para o país”, afirma Luciano Rostagno, estrategista-chefe do banco Mizuho no Brasil.
Em julho, o índice de preços ao consumidor nos EUA subiu 0,1%, abaixo da expectativa de analistas, que viam avanço de 0,2%. Foi o menor ritmo em três meses, o que gera dúvidas sobre a velocidade com que a inflação vai voltar à meta estabelecida pelo Fed, que é de 2% ao ano.
O adiamento da elevação dos juros nos EUA deve diminuir a pressão sobre o dólar aqui, com os investidores optando por manter recursos em economias emergentes, como o Brasil, que oferecem taxas de remunerações maiores. O movimento de entrada de dólares tende a conter a valorização da moeda americana e pressionar a cotação para baixo.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email