Celular fecha com forte declínio de 77% nas vendas para comércio exterior

Em paralelo a queda de 39% nas exportações realizadas pelo Amazonas até agosto, os principais produtos comercializados a outros países também estão apresentando declínio, atingindo a perdas de até 77%, nos primeiros oito meses deste ano, em relação ao mesmo intervalo do ano passado.

Esse é o caso do comércio exterior do setor de telefonia celular, que apresentou a queda mais acentuada, ao variar do montante de US$ 644.71 milhões FOB (Free On Board), registrado nos primeiros oito meses do ano passado, para o montante de US$ 146 milhões, no acumulado obtido até agosto do atual exercício.

Apesar da queda brusca, esse produto continua liderando o ranking das exportações do PIM (Pólo Industrial de Manaus), representando 22,64% do montante de US$ 680,51 milhões das vendas externas do Amazonas. Entre os meses de janeiro a agosto, do total de US$ 680,51 milhões em comércio externo feito pelo Amazonas, US$ 146 milhões FOB foram referentes aos produtos de terminais portáteis de telefonia celular.

Vendas encolhidas

“As vendas de telefonia celular feitas pelo Amazonas a outros países, eram muito mais expressivas, mas desde a transferência de parte da linha produtiva da Nokia ao México, maior fabricante da área, começamos a sofrer perdas nessa linha de produtos”, disse o diretor executivo da Aceam (Associação do Comércio Exterior da Amazônia), Moacyr Bittencourt.

Para que o Estado supere a queda sofrida nesse segmento, o diretor executivo da Fieam (Federação da Indústria do Estado do Amazonas), Flávio Dutra, reivindica ações em prol do desenvolvimento das fabricantes de celular do Amazonas.

“A burocracia e a precária situação logística do Estado motivou a transferência de parte da linha produtiva desses aparelhos a outro país, então, o governo local, junto com o federal, precisam estudar meios de viabilizar a produção desses produtos aqui”, informou Dutra, destacando que um grande problema enfrentado pelas indústrias é a falta de infra-estrutura logística junto com a lentidão nos processos para liberação de mercadorias.

Insumo comercializado

O segundo produto do pólo de Manaus maior vendas externas foi o insumo para preparação de bebidas, que atingiu uma comercialização externa de US$ 92,71 milhões FOB, 24,60% inferior ao montante comercializado no mesmo período do ano passado.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email