18 de abril de 2021

Casa Verde e Amarela traz mais confiança no mercado

A MP do governo Federal que substitui o programa Minha Casa, Minha Vida pelo Casa Verde e Amarela, foi aprovada na quinta-feira (3), na Câmara dos Deputados. A proposta que avança e segue para o Senado, traz uma expectativa de mais unidades habitacionais dentro da capacidade operacional a nível Brasil e o Norte está entre os mais beneficiados com a redução dos juros.  

Além da desigualdade em relação às taxas de  juros para a região, o programa Casa Verde e Amarela, também traz  transformações na regularização fundiária, viabilizando uma forma mais ágil para famílias obterem a escritura de seus imóveis, ao contrário do tradicional modelo usucapião que pode levar até 15 anos.  De acordo com o governo, o programa vai garantir que 1 milhão de famílias que estavam fora do sistema de financiamento habitacional possam ter acesso ao crédito.

“O programa traz algumas flexibilizações que não existiam. Menores taxas que variam entre 5% a 5,5% ao ano , regularização fundiária está sendo facilitada, dependendo da situação,  e financiamento de reformas que não nos atinge muito”, afirma o presidente do Sinduscon-AM, Frank Souza. Mas, de acordo com o dirigente, existe um grande problema na região Norte, todo esse cálculo feito dentro programa esbarra na capacidade de renda das famílias que aqui é menor. Mesmo com o juros menor, poucas famílias ainda devem ter receio em aderir. “E aqui em Manaus, 90% do que constrói no segmento imobiliário está dentro dos programas habitacionais do governo”.

Mas ainda tem outro agravante, conforme Frank Souza, a questão da logística que demora e encarece os produtos, mas afirma que o setor tem brigado para que esse valor seja compensado tanto por aumento de preço, como pela a regionalidade e ainda em face da renda da população que é menor em relação a outras regiões.   Por outro lado, ele diz que o setor está otimista pela quantidade de moradias que deve ser maior e considera que trata-se de um programa melhor. “ A facilidade é que o curso está baixo, existe uma expectativa de financiamento, então essa é a grande resposta do programa neste momento”. 

Para o presidente da Comissão de Regularização Fundiária do Ibradim(Instituto Brasileiro de Direito Imobiliário) e diretor institucional da startup de regularização fundiária UsuCapião, Bernardo Freitas Graciano, o MCVM por exemplo traz somente a possibilidade de construção de novas moradias, o Casa Verde e Amarela já vem com o intuito e a perspectiva de trazer: fomento ao crédito, REURB, diminuição de juros e incentivo a reforma. “A mudança no quesito social é de suma importância, ela irá trazer dignidade para as famílias e oferecer a possibilidade de crédito para aquelas pessoas que estão à margem da economia. As inovações são tantas que a geração de emprego poderá chegar a 1,3 milhões de empregos com o programa. O Brasil só tem a ganhar”.

No mês de agosto, quando foi anunciado pelo governo Federal a substituição do programa,  o vice-presidente da Ademi (Associação das Empresas do Mercado Imobiliário no Estado do Amazonas), Hélio Alexandre, avaliou que a novidade confirma não só que vai intensificar as obras paradas e concluir o faixa 1 que está em andamento, mas também um marco para  as pessoas que estão no imóvel ou terreno há anos e nao tem como regularizar.

“O título fundiário é fundamental entre os estados e municípios que vão fazer as suas seleções e vão dispor o documento das pessoas que possuem moradia. “Isso traz dignidade. Cria crédito. Com a casa própria pode-se ter a oportunidade de utilizar para fazer capital de giro. Juntar a um negócio.  Estava na hora do governo fazer isso pelo tamanho das ocupações que existem no Brasil”.

Para Hélio, o novo programa é uma retomada de crédito e principalmente de cidadania daquelas pessoas que estão inadimplentes e têm a vontade de regularizar seus imóveis para que não os percam. Além de trazer muitas vantagens, será responsável pela geração de emprego. O fortalecimento da retomada das obras traz ânimo também porque reflete no número de geração de emprego. “Para cada 500 unidades, vieram 233 empregos diretos entre começo, meio e fim de uma obra. Então, imagina isso num montante de 300 mil unidades paradas no Brasil”.

Por dentro 

O FGTS é a principal fonte de recursos dos financiamentos e passará a atuar com regularização fundiária, em parcerias com estados e prefeituras. Serão beneficiadas famílias com renda de até R$ 5 mil que moram em núcleos urbanos informais fora de áreas de risco.

Conforme matéria veiculada no portal Extra, em outra frente, o programa vai permitir reforma e ampliação do imóvel, como construção de telhado, quarto extra, banheiro, instalações elétricas ou hidráulicas, colocação de piso e acabamentos em geral. Também poderão ser instalados equipamentos de aquecimento solar ou eficiência energética. Os recursos para as obras virão do Fundo de Desenvolvimento Social (FDS).

O Casa Verde e Amarela prevê três grupos de renda familiar, com condições variadas (juros, subsídios, acesso à regularização fundiária e reforma do imóvel): a mais baixa, com renda de até R$ 2 mil e R$ 2.600 nas regiões Norte e Nordeste (grupo 1); de até R$ 4 mil (grupo 2) e até R$ 7 mil (grupo 3).

Vale lembrar que os empreendimentos contratados pelo programa Minha Casa. Minha Vida, darão seguimento, porém  será extinto conforme as obras forem sendo concluídas.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email