Cana-de-açúcar registra maior participação energética em 2009

Pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), divulgada ontem, revelou que a cana-de-açúcar atingiu a maior participação na matriz energética brasileira, em 2009, desde o início do levantamento, em 1992. A participação do produto, que já teve o pico de 14,5%, em 1994, cresceu de 10,9% para 18%, entre 2000 e 2009.
A pesquisa Indicadores de Desenvolvimentos Sustentável (IDS) 2010 confirma que o Brasil tem aumentado o uso de fonte renováveis de energia, como a cana. Entre 1999 e 2009, o percentual de energia não renovável (petróleo, gás natural) na matriz diminuiu de 57,7% para 52,8%, enquanto o de energia renovável aumentou de 42,3% para 47,2%, no período.
De acordo com a pesquisa, o crescimento se deve ao aumento das possibilidade de uso de fontes como a solar, a eólica e a proveniente da cana, além do novos investimentos em hidrelétricas. Nos próximos anos, devem entrar em operação as usinas de Jirau e Santo Antônio, no Rio Madeira, em Rondônia. “Novas térmicas e termonucleares também estão planejadas”, informa o texto.
O documento alerta, porém que o uso de energia renovável pode provocar inúmeros impactos socioambientais. As hidrelétricas causam danos, como inundações de florestas, mudanças no regime dos rios e deslocamentos populacionais, assim como a produção de cana e utilização de lenha e do carvão vegetal também têm problemas.
“É preciso observar, que a cana precisa de grandes concentrações de terra e uso de agrotóxicos para ser produzida”, ponderou um dos responsáveis pela pesquisa, Judicael Clevelario Junior. Sobre a lenha e o carvão vegetal, a pesquisa chama atenção para o fato de “boa parte vir da derrubada e da queima de mata nativa”, principalmente do Cerrado e da Amazônia.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email