29 de junho de 2022
Prancheta 2@3x (1)

Camargo Corrêa e Construbase vencem licitação da ponte Rio Negro

O valor do lance das empresas ganhadoras consorciadas foi de R$ 574 milhões. O início da construção da ponte está previsto para o próximo mês.

O consórcio Rio Negro, composto pelas construtoras Camargo Corrêa e Construbase, foi o vencedor do processo licitatório para a construção da ponte Manaus-Iranduba. O valor do lance ganhador foi de R$ 574 milhões. O segundo lugar ficou com o consórcio Norberto Odebrecht/CBPO com a proposta de R$ 580 milhões, e em terceiro, o Andrade Gutierrez/Paulitec, que apresentou o maior lance de R$ 689 milhões.

O processo licitatório para construção da ponte Rio Negro teve início há menos de dois meses, no dia 17 de setembro.
A informação foi dada pelo secretário da Seinf (Secretaria do Estado de Infra-estrutura), Marco Aurélio de Mendonça, na manhã de ontem, na sede da Ciama (Companhia de Desenvolvimento do Estado do Amazonas). No entanto, a partir da divulgação do resultado, as empresas que perderam a disputa têm o prazo de cinco dias para recorrer da decisão. “As construtoras poderão analisar os documentos, podendo entrar com recurso, caso identifiquem algum problema”, explicou a assessoria de imprensa da Seinf.

O secretário Marco Mendonça disse que a ponte trará inúmeros benefícios em termos econômicos. De acordo com o dirigente, o empreendimento facilitará a travessia da cerâmica e dos artigos agrícolas produzidos em Iranduba e consumidos, especialmente, em Manaus. “Os produtos chegarão mais rápidos ao seu destino, eliminando este processo precário de atravessar em balsas”, comentou. O transporte de alimentos perecíveis será o principal beneficiado devido à diminuição de quatro a cinco horas de percurso.

Outro benefício apontado pelo executivo foi o incremento da atividade turística em Novo Airão com a consolidação do projeto da ponte. “A obra também trará benefícios para a gestão da região metropolitana de Manaus, que terá legislação especial com relação às questões imobiliárias, contendo desta maneira as invasões”, explicou.

Segundo Marco Aurélio, o processo de licitação inclui também a infra-estrutura viária da Ponta do Pepeta, no Iranduba e da Ponta do Ouvidor, no bairro da Compensa, em Manaus, que serão interligadas. “Esta foi uma exigência do governo estadual feita às construtoras que estavam concorrendo à licença”, explicou.

Num primeiro momento, a construção da ponte Manaus-Iranduba vai gerar aproximadamente 600 postos de trabalho. “O número de empregos indiretos pode ser calculado tomando em consideração que para cada emprego formal serão gerados três informais”. Conforme a assessoria de imprensa da Camargo Corrêa, a empresa não poderia conceder entrevista, porque ainda não havia sido notificada oficialmente.

Antes do início da construção da ponte, previsto para o mês de dezembro deste ano, serão realizadas audiências públicas para discutir os possíveis impactos ambientais da obra. Há um mês o Relatório Preliminar de Impacto Ambiental da construção, realizado pela Ufam (Universidade Federal do Amazonas) foi entregue. Agora, o processo está sob análise do Ipaam (Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas).

Audiências públicas vão começar

As audiências públicas acontecerão nas cidades que serão atingidas direta ou indiretamente pela obra. Em Manaus, a audiência ocorrerá no próximo dia 23 deste mês, nos municípios de Iranduba e Manacapuru no dia 26 e em Novo Airão será realizada no dia 27 de novembro. “A discussão ambiental e a emissão do documento de aval do Ipaam são os últimos passos para a abertura da construção da ponte”, disse o assessor da secretaria. A previsão é que a ponte seja concluída no prazo de dois anos e seis meses.

Estrutura da obra

A ponte Rio Negro, que ligará os municípios de Manaus e Iranduba, terá 3.505 metros. A obra terá 20,70 metros de largura total, 182 metros de altura da torre central em forma de diamante. A extensão do trecho estaiado será de 400 metros e do vão central de dois por 200 metros com altura de 55 metros. A ponte terá 73 vãos e será sustentada por 426 vigas.

O projeto, de autoria do deputado Francisco Souza (PSC), obteve financiamento

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email