Caged aponta melhor resultado desde o mês de setembro de 2008

a. Trata-se do melhor resultado desde setembro do ano passado. O número de maio representa a diferença entre 1,348 milhão de contratações e 1,217 milhão de demissões no período. Pela primeira vez no ano, houve aumento do emprego em todos os setores e todas as regiões do país.
Por conta do saldo do mês de maio, no acumulado do ano, o resultado está positivo em 180.011 vagas.
Entre novembro e janeiro, haviam sido fechadas quase 800 mil vagas com carteira assinada. Somente em janeiro, foram fechadas 101 mil vagas. Houve recuperação a partir de fevereiro, quando foram criados 9.179 empregos. Em março, foram abertos 34.818 postos; em abril, 106.205.
Nos últimos 12 meses, foram criadas 580.269 vagas. Isso representa uma perda de cerca de 800 mil empregos em relação ao resultado de 2008 (1,452 milhão de vagas).
Em maio, houve expansão do emprego nos setores de agricultura (52.927), serviços (44.029), construção civil (17.407) e comércio (14.606). Na indústria, o resultado ficou praticamente estável: foram geradas 700 vagas, resultado puxado pelo setor alimentício (13.382 vagas). Já na indústria metalúrgica foram fechados 5.499 postos, na mecânica, 2,917 postos.
Regionalmente, os resultados ficaram positivos no Sudeste (100.020), Nordeste (13.731), Centro-Oeste (7.233), Sul (5.534) e Norte (5.039). O destaque foi o estado de São Paulo, com abertura de 44.521 postos de trabalho. As nove maiores regiões metropolitanas do país criaram 20.008 postos. Somente na Grande São Paulo, foram 13.049 vagas. “São Paulo, voltando a crescer, volta a puxar a economia e a geração de postos de trabalho no Brasil’’, disse o ministro do Trabalho, Carlos Lupi.

Seguro-desemprego no mês de maio

De acordo com o Ministério do Trabalho, houve uma queda no número de pedidos de seguro-desemprego em maio deste ano em relação ao mesmo período do ano passado, de 566 mil pedidos para 536 mil solicitações.
O ministro afirmou também que espera para junho em resultado melhor que maio, principalmente na indústria, no comércio e na construção civil.
Lupi espera fechar o semestre com a geração de 350 mil e 400 mil novos empregos, o que só seria possível com a um resultado positivo de cerca de 200 mil neste mês. O ministro manteve a previsão de que em 2009 serão gerados mais de 1 milhão de novos empregos com carteira e de que a economia irá crescer mais de 2%.
Carlos Lupi disse que, apesar da melhora no emprego, o governo precisa continuar com uma política de incentivo à produção e ao consumo.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email